Frans G. Bengtsson

Escritor sueco, Frans Gunnar Bengtsson nasceu a 4 de outubro de 1894 em Tossjö, perto de Kristianstad. Filho de um administrador de propriedades na Skåne, Frans Bengtsson não foi uma criança saudável, o que acabou por prejudicar o seu percurso de vida profissional.
Depois de ter concluído os seus estudos secundários, ingressou, em 1912, na Universidade de Lund. Residindo ao largo da alçada familiar, demorou os seus estudos, lendo vorazmente e aperfeiçoando os seus dons de orador e de jogador de xadrez.
Estreou-se como poeta em 1923, com a publicação de Tärningkast e, dois anos mais tarde, seria a vez de Legenden Om Babel (1925). Publicou a sua primeira coletânea de ensaios em 1929, Litteratörer och Militärer, composta por uma série de esboços históricos e páginas de crítica e história literária. Seguir-se-iam Silverslköldarna (1931), De Långhåriga Merovingerna (1933), Sällskap För En Eremit (1938), För Nöjes Skull (1947) e Tankor I Gröngräset (1953). Com um profundo conhecimento da História, um vocabulário alargado e um estilo bem cunhado, Bengtsson obteve grande reconhecimento por parte do público, sobretudo pelos seus ensaios. Reputado como tendo uma memória prodigiosa, já que podia recitar de cor livros lidos na sua juventude, interessou-se pelos homens de estado, sobre os quais escreveu interessantes biografias.
Recebeu a licenciatura em Filosofia em 1930 e, em 1939, casou com Gerda Fineman. Durante a Segunda Guerra Mundial, escreveu Röde Orm (1941), uma saga viking em estilo romântico e ornamentado, pelo que se tornou conhecido pelos seus ataques ferozes ao Nacional-Socialismo e aos germanófilos suecos.
Com o passar dos anos e com a evolução da sua doença, Bengtsson foi gradualmente perdendo o interesse pelos livros, que haviam sido durante toda a sua vida os seus mais estimados amigos. Considerado por todos aqueles que o conheceram como sendo quase ateu, e tendo criticado muitas vezes o Cristianismo institucionalizado, Bengtsson não conseguiu deixar de ler, no seu leito de morte, salmos suecos muito antigos. Faleceu a 19 de dezembro de 1954 em Ribbingsfors.
Como referenciar: Frans G. Bengtsson in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-17 14:45:59]. Disponível na Internet: