Frederico Ressano Garcia

Nasceu em 1847, em Lisboa, e morreu em 1911. Diplomou-se como engenheiro civil em 1869. Estudou em Paris, onde tomou parte na defesa da cidade como voluntário na Guarda Nacional, quando as forças prussianas atacaram após a queda de Napoleão III. Recebeu em França o grau de grande oficial da Legião de Honra.
Regressou a Portugal por se ter recusado a servir na Comuna.
Teve na Escola do Exército e no Instituto Industrial e Comercial de Lisboa o cargo de lente, foi procurador da Junta Geral de Distrito, diretor dos Caminhos de ferro de Lourenço Marques, da Companhia das Águas (eleito em 1893), da Companhia dos Fósforos, ministro da Fazenda (1897), da Marinha (1889) e do Ultramar. Foi representante de Portugal no Congresso Internacional de Caminhos de ferro, em Milão, e na Exposição de Paris de 1900 foi presidente da comissão portuguesa e comissário régio.
Foi igualmente Par do Reino e esteve ligado ao Partido Progressista (em cujo jornal, O Progresso, colaborou), tendo sido eleito deputado várias vezes. Escreveu também no Diário Popular.
Efetuou em Lisboa diversas obras urbanísticas, como a construção da Avenida 24 de julho, o alargamento da Avenida da Liberdade, a edificação dos bairros da Estefânia, do Campo de Ourique e do Mercado da Ribeira Nova e das Avenida Novas. Estabeleceu também um sistema de esgotos novo e aperfeiçoou o abastecimento de água da cidade. Projetou as linhas de caminhos de ferro de Sintra e da cintura lisboeta.
Como referenciar: Frederico Ressano Garcia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-23 08:49:44]. Disponível na Internet: