Fritz Lang

Realizador austríaco, Fritz Lang nasceu a 5 de dezembro de 1890, em Viena, e faleceu a 2 de agosto de 1976, em Beverly Hills, Califórnia, aos 85 anos de idade.
Filho de um arquiteto, estudou também ele arquitetura em Viena e, aos 20 anos, encetou uma viagem pelo mundo: norte de África, Ásia, Rússia, China e Japão. Em 1913, estabeleceu-se em Paris com a ideia de se tornar pintor, chegando mesmo a fazer uma exibição em 1914. Com o surgir da Primeira Grande Guerra, Lang voltou a Áustria para ingressar nas forças armadas em 1915 e, quando foi ferido e enquanto convalescia no hospital, começou a escrever argumentos.
Depois da guerra, trabalhou como leitor de argumentos, escritor e, por vezes, até como realizador com o produtor Erich Pommer na Companhia Decla Bioscop, em Berlim. Depois disso, criou a sua própria produtora de filmes. A sua estreia como realizador surgiu em 1919 com o filme Halbblut e, em 1920, casou-se com a atriz e escritora Thea von Harbou, que assinava os argumentos dos seus filmes. O seu primeiro grande sucesso aconteceu em 1921 com Der Mude Tod (A Morte Cansada). Seguiu-se Dr. Mabuse, Der Spieler (1922) e, em 1924, realizou em duas partes Die Nibelungen: Siegfried e Die Nibelungen: Kriemhilds Rache, baseados na história do épico herói alemão do século XIII.
Em 1927, realizou Metropolis, um clássico de ficção científica sobre uma sociedade esclavagista futurista. Realizou depois Spione (Espiões, 1928), Frau im Mond (Uma Mulher na Lua, 1929) e M (Matou, 1931), o primeiro filme sonoro alemão, considerado a obra-prima do seu período alemão e também o seu filme favorito.
Após realizar Das Testament des Dr. Mabuse (O Testamento do Dr. Mabuse, 1933), que expunha as doutrinas nazis, foi convidado pelo ministro de propaganda de Hitler para supervisionar a produção de filmes do partido, mas Lang recusou e mudou-se para Paris, deixando para trás a sua fortuna pessoal e a sua mulher, de quem se divorciaria e que acabaria por se juntar ao partido Nazi.
Em Paris, realizou Liliom (1934), protagonizado por Charles Boyer, e partiu para Hollywood onde se naturalizou cidadão norte-americano em 1935. A sua estreia em Hollywood foi com o filme negro Fury (Fúria, 1936), baseado numa história de Norman Krasna, com Spencer Tracy e Sylvia Sidney nos principais papéis. O filme obteve um enorme sucesso comercial e boas críticas. Fez depois You Only Live Once (Só Vivemos Uma Vez, 1937), com Henry Fonda; You and Me (Sozinho na Vida, 1938); e os westerns The Return of Frank James (O Regresso de Frank James, 1940) e Western Union (Conquistadores, 1941).
Destaque ainda para o thriller Man Hunt (Feras Humanas, 1941); o filme de guerra, escrito a meias com Bertolt Brecht, Hangmen Also Die (Os Carrascos também Morrem, 1943); e o filme negro baseado no romance de Graham Greene Ministry of Fear (Prisioneiros do Terror, 1944).
Seguiram-se dois filmes protagonizados por Edward G. Robinson: o thriller The Woman in the Window (Suprema Decisão, 1945) e Scarlet Street (Almas Perversas, 1945).
Lang continuou a realizar westerns e dramas como Clash by Night (Desengano, 1952), The Big Heat (Corrupção, 1953) e o filme de aventuras Moonfleet (O Tesouro do Barba Ruiva, 1955).
Em 1959, regressou à Alemanha onde assinou o seu último filme, Die Tausend Augen des Dr. Mabuse (O Diabólico Dr. Mabuse, 1960).
Como referenciar: Fritz Lang in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-17 00:51:20]. Disponível na Internet: