George W. Bush

Homem político e de negócios norte-americano, George Walker Bush nasceu a 6 de julho de 1946, em New Haven, no Connecticutt. Filho mais velho do quadragésimo primeiro presidente norte-americano, George Bush, ainda jovem foi viver com os pais para Odessa, no Texas. Em 1961, porém, mudou-se para Andover, no Massachusetts, para ingressar na Philips Academy, seguindo as passadas do pai. Três anos mais tarde foi estudar para a Yale University, no Connecticutt, onde tirou o bacharelato em História no ano de 1968. Nos anos 70 trabalhou em campanhas eleitorais na Florida e no Alabama e em 1975 terminou um MBA na Harvard Business School em Massachusetts. Em 1978 concorreu a um lugar na Câmara dos Representantes dos EUA mas não teve sucesso. A partir de então dedicou-se ao negócio da indústria petrolífera.
Em 1987 mudou-se para Washington DC para ajudar na campanha eleitoral do pai e, de seguida, voltou ao Texas, onde se tornou uma das figuras mais importantes da Texas Rangers Baseball Team.
Começou a pensar seriamente em seguir a carreira política e concorreu, com sucesso, às eleições para Governador do Texas em 1995, sendo reeleito em 1998. Durante o cargo, George W. Bush recusou os vários pedidos (inclusive do Vaticano) de anulação da condenação à morte para aquela que se tornou a primeira mulher a sofrer a pena de morte no Texas desde a Guerra Civil Americana. Um ano após a sua reeleição, candidatou-se às eleições presidenciais pelo Partido Republicano. O seu maior rival era Al Gore, do Partido Democrático. O período pós-eleitoral foi bastante atribulado mas venceu as eleições. Tornou-se então o 43.º Presidente dos EUA a 20 de janeiro de 2001.
No seu programa presidencial, deu prioridade ao sistema educativo, providenciando algumas alterações de fundo.
Em setembro de 2001, os EUA foram alvo de um ataque terrorista que provocou a destruição quase total do World Trade Center, em Nova Iorque, e parcial do Pentágono, em Washington, tendo provocado um avultado número de mortes, inúmeros estragos materiais e prejuízos financeiros. George W. Bush autorizou de imediato as buscas dos responsáveis do atentado e lançou uma campanha internacional anti-terrorismo, a que chamou "Justiça Infinita".
Na sequência da campanha, George W. Bush pressionou Saddam Hussein a provar que o acordo de desarmamento do Iraque, feito no final da Guerra do Golfo, tinha sido cumprido. Em novembro de 2002, após alguma relutância, Saddam consentiu que inspetores de armamento da ONU entrassem no país para proceder a uma vistoria. Contudo, passados alguns meses de inspeções, George Bush acusou Saddam de não estar a cumprir os procedimentos necessários para um eficiente trabalho por parte dos membros da ONU, alegando que o presidente iraquiano estava a esconder armamento proibido, nomeadamente armas químicas e biológicas.
Em março de 2003, ordenou o ataque ao Iraque, depois de um ultimato para que Saddam Hussein e a sua família abandonassem o poder e o país. Deu-se assim o início da segunda Guerra no Iraque, com a intervenção coligada de tropas norte-americanas e britânicas, mesmo sem a aprovação da Organização das Nações Unidas. Em abril as forças de intervenção americanas dominaram Bagdade e o governo de Saddam Hussein foi derrubado.
Apesar de não terem sido encontradas armas de destruição massiva no Iraque, as tropas internacionais mantiveram-se no local na tentativa de manter a paz, mas vários ataques terroristas e raptos de estrangeiros ameaçaram a sua intervenção. Contudo, George W. Bush afirmou continuar com a política de guerra contra o terrorismo.
Em novembro de 2004, contrariando as previsões de alguns analistas políticos, George W. Bush foi reeleito presidente dos Estados Unidos da América.
Durante o segundo e último mandato, George W. Bush assistiu a uma quebra da sua popularidade junto do eleitorado americano sendo alvo de fortes críticas acerca das suas posições sobre a situação das tropas americanas no Iraque e do desempenho da sua administração aquando da catástrofe provocada pelo furação Katrina.
Nas eleições presidenciais norte-americanas de 2008, num período de grave crise económica, George W. Bush foi substituído por Barack Obama.
Como referenciar: George W. Bush in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-22 05:05:58]. Disponível na Internet: