GQT - Gestão da Qualidade Total

Qualquer empresa ou organização tem como objetivo a implementação de uma função de produção que vá de encontro às suas necessidades em termos de eficiência e eficácia, para o que concorre em larga medida a sua performance em termos de qualidade, nomeadamente no que diz respeito à forma como o cliente analisa o produto dessa mesma organização. De facto, caso a gestão do processo produtivo não seja a adequada, podem surgir problemas de vária ordem, designadamente no que respeita aos níveis de produtividade, percentagem de produtos defeituosos, burocracia, motivação dos trabalhadores, etc.
A abordagem proposta pela Gestão da Qualidade Total (GQT) teve o seu auge durante a década de 80 e tinha como ponto de partida a concentração no cliente, salientando por outro lado o trabalho em equipa e a gestão participativa dos trabalhadores na prossecução dos objetivos delineados. Esses objetivos estão por sua vez ligados ao estímulo da inovação e à implementação de melhorias em termos de qualidade em todas as áreas da empresa, com especial ênfase na produção. O raciocínio de base é o de que as empresas podem melhorar continuamente através de um processo de análise e avaliação sistemáticas que possibilitem o aperfeiçoamento dos sistemas e dos processos. O ponto de partida para a abordagem proposta pela GQT foram os Círculos de Controlo de Qualidade (CCQ), utilizados no Japão desde a década de 60, e que tinham como objetivo o incitamento ao envolvimento dos trabalhadores na vida e nos objetivos das empresas. Assim, a GQT propõe a formação intensiva dos trabalhadores ao nível do controlo de qualidade, bem como da análise da produção e distribuição. A partir daí estariam criadas as bases para a melhoria da qualidade, eficácia e eficiência da atividade da empresa como um todo. A participação dos trabalhadores é assim fomentada, na prática, através do denominado ciclo de qualidade, baseado em quatro fases (planear, fazer, verificar e agir) que estabelecem continuamente objetivos mais ambiciosos e incentivam o desenvolvimento da empresa.
A GQT assumiu-se assim como um meio de combater aspetos como os baixos níveis de produtividade apresentados por muitas empresas na altura em que surgiu esta abordagem, bem como outras deficiências estruturais, como, por exemplo, a elevada percentagem de produtos defeituosos criados pelos processos produtivos; a excessiva burocracia resultante de estruturas organizativas densas e pouco funcionais; a falta de motivação e outro tipo de problemas associados aos trabalhadores das empresas.

Como referenciar: GQT - Gestão da Qualidade Total in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-21 06:21:03]. Disponível na Internet: