Gruta da Cova da Moura

Gruta sepulcral com cerca de 5 mil anos, é uma importante estação pré-histórica situada na área natural dos Cucos, perto de Torres Vedras. A gruta foi explorada durante o ano de 1930 por Leonel Trindade e Aurélio Ricardo Belo, no âmbito do processo de constituição do Museu Municipal de Torres Vedras. Esta intervenção deu lugar a um numeroso e importante espólio arqueológico de carácter funerário constituído essencialmente por diversos objetos de carácter mágico-religioso (ídolos cilíndricos antropomórficos de calcário, placas antropomórficas de xisto), grandes quantidades de objetos de uso quotidiano (machados e enxós de pedra polida, pontas de seta e punhais em sílex, alfinetes em osso, etc.), assim como um grande número de objetos de adorno (contas de colar de pedra, amuletos com representações zoomórficas e pingentes).
A gruta constituía uma grande necrópole coletiva, provavelmente pertencente ao Castro da Boiaca, povoação da idade do cobre localizada a algumas centenas de metros a sul desta cavidade. Neste local foram depositados mais de uma centena de corpos, juntamente com muitos dos objetos atrás descritos.
As escavações do ano de 1930 permitiram o levantamento e o registo dos achados recolhidos nesta necrópole calcolítica, ficando contudo inúmeras questões em suspenso. Parte do espólio assim recolhido pode ser observado no Museu Municipal de Torres Vedras.
Como referenciar: Porto Editora – Gruta da Cova da Moura na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-18 13:13:20]. Disponível em