Guerra de Granada

Nome pelo qual é conhecida a invasão da Ilha de Granada, no mar das Caraíbas, nos inícios dos anos 80, por uma força internacional encabeçada pelos Estados Unidos, com o objetivo de derrubar o regime comunista que a governava. Granada, antiga colónia inglesa, era um nação independente desde 1974 graças aos esforços de Eric Gairy, eleito primeiro-ministro. O sistema político escolhido era a monarquia constitucional, fazendo parte dos países da Commonwealth. Este equilíbrio foi quebrado em 1979 com o golpe militar de Maurice Bishop, marxista que estabelece ligações com Cuba e adota políticas de esquerda. Alguns rebeldes não concordavam com o sistema seguido por Bishop, pouco fiel às doutrinas marxistas. Em outubro de 1983 tomam o governo e matam o ditador. Esta mudança assustou algumas nações das Caraíbas, que temiam a utilização da ilha como base de Cuba e da União Soviética. É assim que as tropas norte-americanas, juntamente com soldados de mais seis países das Caraíbas, invadem Granada, conseguindo dominar a situação ao cabo de poucos dias. Em 1984 foi restaurado um governo democraticamente eleito, permanecendo as forças norte-americanas não militares no território até 1985.
Como referenciar: Guerra de Granada in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-17 08:43:48]. Disponível na Internet: