Guerra Paulista

Movimento militar de protesto à governação de Getúlio Vargas, que teve início a 9 de julho e terminou a 3 de outubro de 1932. Ficou também conhecido como Movimento de 9 de julho de 1932 no Brasil ou Revolução Constitucionalista de 1932.
Dois anos antes, a 1 de março de 1930, Getúlio Vargas venceu Júlio Prestes, governador de São Paulo, nas eleições presidenciais dando início a um governo ditatorial conhecido por Estado Novo.
Este foi o primeiro movimento de protesto à governação de Vargas que tardava em elaborar uma nova Constituição. Em janeiro de 1932 organizou-se um comício, em São Paulo que reuniu cerca de 100 000 pessoas a exigir a nova Constituição. No mês seguinte, deu-se a fusão do Partido Democrático e do Partido Republicano Paulista, criando-se assim a Frente Única Paulista, com o objetivo de fazer oposição ao governo. No comício realizado a 23 de maio em São Paulo, a repressão policial causou a morte a quatro estudantes. Deste incidente nasceu o MMDC, movimento composto pelas primeiras letras dos estudantes mortos e que mobilizou então, não só as camadas militares como a classe média paulista. A 9 de julho começaram os conflitos armados encabeçados por Júlio Prestes e Pedro Toledo, apoiados por milhares de voluntários que se juntaram às fileiras das tropas estaduais. Contudo, os 40 000 homens assim mobilizados não foram suficientes para fazer frente às forças federais e os paulistas acabaram por aceitar as condições da rendição a 3 de outubro de 1932.
Como referenciar: Guerra Paulista in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-02-22 22:12:04]. Disponível na Internet: