Guida

Personagem da obra O Anjo Ancorado (1958) de José Cardoso Pires. De cara "magra e bravia, olhos firmes, corpo escorrido, corpo de bailarina", Guida Sampaio, companhia de João durante uma tarde na perdida aldeia de S. Romão, era professora, amiga de versos e de boa música, [...] estudava o desenho das crianças "e tinha, sobretudo, o gosto de se ouvir a sós" (p. 76): "desdobrando uma meada de explicações eternas. Tinha lábios de desprezo perante as recordações que contava, lábios finos e pausados de mulher que se confessa, acusando." (p. 129) Perspetivada a partir da visão cínica e desapaixonada de João, Guida representa, aos seus olhos, o tipo das "independentes" (p. 85) que "têm sempre esse preconceito da mulher vítima da Natureza. [...] das tais que entendem que perder a virgindade é uma operação destinada a emendar a Natureza." (p. 85) Jovem da "segunda geração" (com "dez, doze anos em 1945", não conheceu a geração da utopia revolucionária a que João pertencera) Guida, como "Uma ilha viva de corpo e alma", "falava, falava, falava", diante do seu interlocutor quase sempre mudo, "atordoava-se com ela própria, com as dúvidas e os brilhos que descobria na Guida das horas ocultas, com complicações em torno dos pequenos ridículos e dos bons racionalistas que sorriem em face da estupidez universal".
Como referenciar: Guida in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-01-24 11:20:18]. Disponível na Internet: