Havana


Aspetos Geográficos
Capital de Cuba, Havana situa-se na costa noroeste da ilha que constitui o país, junto a uma baía natural, a apenas 144 km de território norte-americano. Possui cerca de 2 200 000 habitantes (2005), sendo a maior cidade das Caraíbas.

História e Monumentos A cidade foi fundada a 25 de agosto de 1515 pelo conquistador espanhol Diego Velásquez de Cuéllar na costa sul da ilha. Em 1519, a cidade mudou-se para a atual localização, fruto da qualidade da sua baía natural. Originalmente, era um porto comercial que sofria ataques regulares de piratas. Para combater esse facto e ainda para exercer um maior controlo sobre o comércio, a coroa espanhola financiou a construção de uma fortificação. Durante o século XVII, a cidade expandiu-se grandemente, tendo sido construídos diversos novos edifícios com os materiais mais abundantes na ilha, especialmente madeira. Neste período foram construídos diversos monumentos civis e religiosos: o Convento de St. Augustin, o Castelo de El Morro, a Capela de Humilladero, o Hospital de San Lazaro, o Mosteiro de Santa Teresa, etc. Em 1649, uma epidemia trazida de Cartagena sacrificou um terço da população da cidade. No século XVIII a cidade prosperou bastante, tendo sido tomada brevemente pelos britânicos. Em 1748, foi construída a Catedral de Havana. O século XIX foi outro período de ouro para a cidade, que se tornou conhecida como a "Paris das Caraíbas", numa altura em que os seus teatros recebiam os mais distintos atores. Em 1898, a explosão do navio de guerra norte-americano "Maine" foi o pretexto para o início de uma guerra entre os EUA e a Espanha, daí resultando a ocupação do país pelos norte-americanos até 1902, altura em que Cuba se tornou independente, embora com a manutenção de diversos interesses económicos norte-americanos. Após a revolução comunista de 1959, Havana e todo o país beneficiaram de algum desenvolvimento, mas depois vieram a sofrer com a queda da URSS e o embargo encetado pelos EUA.

Aspetos Turísticos e Curiosidades
A parte antiga da cidade tem sido reconstruída para tentar cativar o máximo possível de turistas, já que essa é uma das suas principais fontes de rendimento após o colapso da União Soviética e a degradação das suas infraestruturas. Em 1982, a velha Havana e as suas fortificações foram classificadas como Património Mundial pela UNESCO. É esta parte, com os seus edifícios dos séculos XVI e XVII, que evoca o passado espanhol, enquanto a parte nova, sobretudo residencial, reflete mais a influência norte-americana. Entre os seus monumentos, merecem destaque duas fortalezas: o Castelo de Los Tres Reyes del Morro, que guardava a entrada na baía da cidade, e La Cabaña, localizada na parte leste da baía, com os seus impressionantes muros do século XVIII. Outros locais atrativos para os turistas são o Capitólio (construído à semelhança do congénere americano), o Museu da Revolução (localizado no antigo palácio presidencial), o famoso cabaré "Tropicana", a necrópole de Cristóvão Colombo e o Hotel Nacional de Cuba, entre outros. Estes têm ainda à disposição uma série de praias localizadas a leste da cidade, ao longo da Via Blanca.


Economia
O seu porto é um dos melhores das Caraíbas, exportando açúcar, café, frutos tropicais e tabaco. Algumas das suas principais indústrias são a refinação de petróleo, o fabrico de charutos (os famosos "havanos") e os têxteis. O governo tenta captar o investimento externo e, para isso, permite a formação de empresas conjuntas com esses investidores. O turismo tem sido encarado como uma das principais armas para a luta contra a crise económica, sendo, no entanto, necessário requalificar algumas infraestruturas e restaurar diversos edifícios degradados.
Como referenciar: Havana in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 23:42:53]. Disponível na Internet: