histamina

A histamina, também designada de 2-(4-imidazolil)-etilamina, é uma hormona tissular (ou autacóide) que resulta da descarboxilação enzimática do aminoácido histidina. Apresenta a fórmula molecular C5H9N3.
Esta hormona encontra-se largamente espalhada em tecidos vegetais e animais.
No homem, as concentrações mais elevadas encontram-se na pele, nos pulmões e no intestino. Nestes últimos orgãos, a histamina é sobretudo abundante nos mastócitos, onde se encontra combinada com a heparina. Dadas as suas potentes ações, especialmente sobre a secreção gástrica e o músculo liso brônquico, intestinal e vascular, atribui-se-lhe um papel fisiológico na regulação dos processos da secreção do suco gástrico, na motilidade intestinal e na vasodilatação.
A libertação de histamina provocada por medicamentos, traumatismos e durante a reação antigénio-anticorpo explica muitos dos sintomas observados durante o choque anafilático e outras reações alérgicas.
A histamina provoca contração dos músculos dos brônquios e do canal digestivo, aumento da secreção de ácido no estômago, contrações uterinas, dilatação dos capilares, salivação, diarreia, taquicardia (pulso rápido), hiperpneia (aumento da frequência respiratória), cólicas abdominais e vómitos.
Os efeitos da histamina podem ser antagonizados com agentes fisiológicos ou farmacológicos (anti-histamínicos) que têm larga aplicação na correção das manifestações alérgicas.
Como referenciar: histamina in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 17:29:16]. Disponível na Internet: