História do gato

Animal independente mas doméstico, distante mas carinhoso, o gato é um ser misterioso que cedo despertou fascínio nos humanos, chegando mesmo a tornar-se objeto de culto para algumas civilizações.

De forma contraditória, este felino foi visto como um ser divino e digno de culto por certas culturas, ao passo que outras o viam como um aliado das forças do mal.
O gato doméstico terá evoluído a partir do gato-bravo, razão pela qual lhe reconhecemos algumas das características selvagens do seu antecessor.

Ao contrário de outros felinos, é um animal geralmente solitário, de hábitos noturnos e sentidos muito apurados, principalmente a audição e a visão. Caça apenas para sobreviver e só contacta com outros gatos para marcar território ou acasalar.

Apesar de não ter sido a primeira a domesticar o gato, a civilização egípcia foi a primeira a documentá-lo: em diferentes estátuas, pequenos amuletos e até pinturas murais podemos observar a convivência pacífica entre os egípcios e o gato, assim como a sua divinização. Aliás, uma das figuras divinas mais famosas e veneradas do antigo Egito é a da deusa da fertilidade e do amor, Bastet, que é justamente representada com uma cabeça de gato.

Na civilização grega e na romana o gato aparecia associado a vários deuses, como Afrodite, símbolo de feminilidade e do amor, e Diana, a deusa da caça. Já nas lendas nórdicas aparece a imagem de Freia, deusa da fecundidade, no seu carro puxado por estes animais.

Na Idade Média foram considerados uma heresia e associados a forças satânicas, tendo sido muitas vezes desprezados e até sacrificados. Eram associados a bruxas, que os tinham por companhia e os usavam nos seus rituais.

Com o decorrer do tempo os mitos e crenças foram-se dissipando, e o gato foi conquistando um espaço privilegiado na vida dos seres humanos. Por exemplo, com a propagação da Peste Negra que matou milhares de pessoas, o gato ganhou o respeito do homem, uma vez que era um exímio caçador de ratos, o principal foco da doença. Era também um animal muito útil nos barcos e nos campos de agricultura, uma vez que caçava os roedores que destruíam os cereais e outros alimentos.

Desde então, o gato passou a fazer parte integrante da vida dos humanos. Entre aqueles que o elegeram como animal de estimação estão grandes personalidades da nossa História como o político Winston Churchill, a violoncelista Guilhermina Suggia, o pintor Gustav Klimt e o escritor Ernest Hemingway.



Como referenciar: História do gato in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-10 03:21:24]. Disponível na Internet: