Igreja Matriz da Trofa

A Igreja Matriz da Trofa, no concelho de Águeda, é uma construção resultante de várias reformas, a primeira das quais ocorreu no século XVI. Posteriormente, as remodelações dos finais do século XVII e a da centúria seguinte marcariam fortemente toda a estrutura deste templo. Foi consagrada a S. Salvador e está classificada desde 1910 como Monumento Nacional.
O seu exterior é simples e austero.O seu corpo interno é modesto, comparado com a magnífica capela-mor quinhentista, possivelmente obra do arquiteto Diogo de Castilho, remodelada posteriormente entre os séculos XVII e XVIII, servindo como panteão da famíla dos Lemos.
De configuração quadrangular, a capela-mor é coberta por abóbada de múltiplas nervuras, tendo quatro bocetes decorados e um fecho de abóbada com o brasão dos Lemos. Nas suas paredes rasgam-se vários arcossólios guardando as arcas tumulares de diversos membros desta nobilitada família local. No lado da Epístola destaca-se o magnífico túmulo de Diogo de Lemos (1534), o fundador desta capela funerária, executada pelo talentoso escultor francês Filipe Hodart, com realce para a estátua do defunto colocado em posição de orante vestido com a sua pesada armadura de cavaleiro. O trabalho deste túmulo renascentista é notável na modelação plástica das formas, obra do escultor João de Ruão, constituindo-se como um dos mais importantes trabalhos de escultura do século XVI.
Como referenciar: Igreja Matriz da Trofa in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-25 05:08:40]. Disponível na Internet: