Igreja Matriz de Portimão

A cidade algarvia de Portimão remonta a uma época pré-romana, vindo a receber o seu primeiro foral no século XIII, pela mão de D. Afonso III. No ano de 1510, D. Manuel I outorgou-lhe novo foral. A sua igreja matriz deverá ter sido construída no decorrer do século XIV. Infelizmente, do seu traçado original só chegaram escassos elementos até à atualidade.
Pela documentação coeva, sabemos que a Matriz de Portimão foi reedificada após o terramoto de 1775, para, nos meados do século XIX, sofrer várias obras de remodelação. No exterior do templo mantêm-se alguns elementos da sua construção primitiva, como botareús, uma gárgula e o pórtico ogival. Este é composto por quatro colunelos, capitelizados com ornatos fitomórficos, carrancas e figuras de guerreiros que decoram a arquivolta. O pórtico foi, posteriormente, enquadrado por duas pilastras delimitadas pelas imagens de S. Pedro e de S. Paulo.
No seu interior, a igreja aparece dividida em três naves separadas por oito colunas de cantaria. As paredes são revestidas por silhar de azulejos seiscentistas de duplo padrão, emoldurados por azulejos do século XVIII, também com padrões vários.
Na Capela-Mor encontra-se um retábulo em madeira de nogueira, da autoria de Manuel Xavier, mestre de Faro. Ainda neste templo, não podem deixar de se admirar os crucifixos de marfim e de pau santo (em número de quatro), uma escultura em madeira representando Nossa Senhora Mãe das Almas, provavelmente obra do século XVI, e uma imagem em pedra de S. Pedro.
Como referenciar: Igreja Matriz de Portimão in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-10 16:31:03]. Disponível na Internet: