Igreja Matriz de Tarouca

Monumento Nacional consagrado a S. Pedro, a Igreja Matriz de Tarouca é um templo medieval erguido na transição do século XIII para o século XIV, notando-se na sua estrutura arquitetónica e decorativa sinais do românico convivendo com a renovada linguagem do gótico inicial.
A Matriz desta vila do distrito de Viseu apresenta uma frontaria austera e sóbria, aspeto que lhe é transmitido pelos robustos panos de cantaria granítica. A porta principal é composta por duas arquivoltas ogivais apoiadas em dois pares de colunas capitelizados - com decoração esculpida de motivos fitomórficos, simbólicos, antropomórficos e zoomórficos -, sendo alcançada depois de vencida uma pequena escadaria. O portal é sobrepujado ao centro por uma abertura circular, enquanto a empena triangular da fachada é encimada por uma cruz e ladeada por dois remates pinaculares. A parede lateral norte é rasgada por um portal gótico com três arquivoltas ogivais assentes em seis colunelos e moldurado por gablete. Adossada a esta parede externa eleva-se a torre sineira, de duas ventanas e terminação triangular. Correndo ao longo da cornija de toda a igreja, nota-se uma série de modilhões esculpidos.
O interior é simples, formado por nave única e coberta por teto de madeira. A capela-mor possui uma cobertura composta por trinta painéis pintados do século XVII, tendo ainda um retábulo barroco em talha dourada.
Na face do Evangelho destaca-se um grandioso túmulo manuelino, sob um elegante arcossólio de volta plena e enriquecido por rendilhado de cariz naturalista. Lateralmente, impõem-se dois colunelos espiralados que se conjugam harmoniosamente com o cordame da decoração parietal do arco, enquanto nas cantoneiras deste estão medalhões com bustos de perfil. A arca funerária é simples e sem qualquer ornamentação esculpida. Coloca-se a hipótese de este mausoléu manuelino ter sido realizado para albergar os restos mortais de D. João de Meneses, 1.º Conde de Tarouca.
Como referenciar: Igreja Matriz de Tarouca in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-02-21 18:09:59]. Disponível na Internet: