Ilha da Nova Guiné

Ilha do oceano Pacífico Ocidental, a norte da Austrália. Com uma área de 785 000 km 2, é a segunda maior ilha do Mundo. A sua população é de cerca de 7 milhões de habitantes. A ilha está separada da Austrália pelo mar de Arafura, pelo mar Coral e pelo estreito de Torres, de águas pouco profundas e com uma largura de 153 km.
Politicamente, divide-se numa zona ocidental, que faz parte da Indonésia (Nova Guiné Ocidental ou Irian Jaya), e numa zona oriental, que constitui o território principal da Papua-Nova Guiné.
A ilha tem forma alongada, com duas penínsulas nos seus extremos: a de Doberai, a oeste, e a da cordilheira Owen Stanley, a leste. Compreende duas unidades geomorfológicas principais: no Sul, uma planície pantanosa; no Norte, uma zona montanhosa composta de duas cordilheiras paralelas, separadas por depressões.
A cordilheira costeira que, em geral, ultrapassa os 2000 metros, culmina no monte Bengela (4121 m).
A cordilheira central é uma enorme massa montanhosa, com cerca de 2000 km de comprimento, que culmina no monte Jaya (5030 m)
O clima é equatorial, com 26 º C de temperatura média anual, nas zonas baixas, e muito fraca oscilação térmica. Com a altitude, as temperaturas decrescem e, a partir dos 3000 metros, o clima apresenta-se frio. As precipitações são, em geral, muito abundantes: registam-se 5000 mm anuais nos cumes da cordilheira central e muitas regiões recebem entre 2000-4000 mm anuais.
Os rios, muito caudalosos, contam com longos trechos navegáveis. Salientam-se o Mamberamo e o Sepik, na costa norte, e o Fly, o Digul e o Vriendschaaps, na costa sul. As costas são altas e escarpadas no Norte, exceto nos deltas dos rios, e baixas e pantanosas no Sul.
Cerca de 70% do território está coberto de floresta, que se escalona em andares de altitude: mangal na costa, floresta anfíbia nas planícies pantanosas, floresta equatorial até 3000 m, floresta de coníferas austrais de 3000 metros a 3500 metros e prados de alta montanha acima de 3500 metros.
A população compõe-se maioritariamente de papuas melanésios aparentados com os aborígenes australianos. Além disso, existem pequenos núcleos de pigmeus negritos, que ocupam as zonas mais isoladas das montanhas, pequenas minorias de brancos australianos, na zona oriental, e indonésios em Irian Jaya. Nesta última vive só um quarto da população.
Descoberta pelo português Jorge de Meneses (1526), foi visitada pelos espanhóis Álvaro de Saavedra (1528), Iñigo Ortiz (1546) e Luiz Váez de Torres (1606), que descobriu o estreito que separa a Nova Guiné da Austrália.
Em 1642, Tasman explorou o litoral norte e mais tarde sucederam-se as viagens de Britânicos, Franceses e Alemães. Em 1842, os Holandeses estabeleceram-se na costa. Em 1884 os Britânicos converteram em protetorado a região oriental, ao mesmo tempo que os Alemães se apoderavam da costa nordeste e de algumas ilhas.
Terminada a Primeira Guerra Mundial, os territórios alemães passaram a ser administrados pela Austrália. Entre 1941-1945, os japoneses ocuparam a ilha.
A antiga colónia holandesa da Nova Guiné Ocidental (Irian Jaya) converteu-se em província indonésia, enquanto o resto da ilha (Papuásia e Nova Guiné do Nordeste) se uniu para formar o Estado independente da Papua-Nova Guiné.
Como referenciar: Ilha da Nova Guiné in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-14 11:08:41]. Disponível na Internet: