incoerência de status

A incoerência de status ocorre quando os indivíduos não são capazes de representar convenientemente os seus papéis sociais; quando, face a determinadas situações, defraudam as expectativas de outros indivíduos por não corresponderem ao que supõem representar. Há incoerência de status quando não se atribui a um indivíduo o status que ele entende deter. Aquele que não estudou e não é portador de uma cultura média, apesar de ganhar a lotaria e de se tornar, de repente, num novo-rico, não tem, provavelmente, aceitação num grupo de intelectuais que se reúnam periodicamente para discutir temas culturais ligados à literatura e à história. Ou seja, apesar de ter adquirido um estatuto económico idêntico ou até superior aos demais, não apresenta, na situação descrita, qualquer possibilidade de os acompanhar, pelo menos a curto prazo. Isto quer dizer que a incoerência de status resulta de desequilíbrios que podem ocorrer entre o ter, a posse, e o ser, entre status atribuído, aquele que tem a ver com as suas origens, que foi herdado, e o status adquirido, aquele que tem a ver com as suas aquisições. O status não é imóvel e, por isso, reestrutura-se constantemente. As situações de incoerência de status podem ser ultrapassadas com o tempo, para o indivíduo que ascende na hierarquia social, que sofreu um processo de mobilidade social ascendente, ou para os seus descendentes. A segunda geração é já capaz de juntar ao capital económico o capital cultural e, dessa forma, esbater quaisquer aspetos de incoerência de status.
Como referenciar: Porto Editora – incoerência de status na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-24 08:02:34]. Disponível em