J. D. Carr

Romancista norte-americano, John Dickson Carr nasceu a 30 de novembro de 1906, em Uniontown, no estado da Pennsylvania. Filho de um advogado bastante influente, estudou na Hill School, transitando depois para o Haverford College, onde começou a escrever sobre desporto e processos criminais para a imprensa local.
Prosseguiu os seus estudos na Sorbonne, a antiquíssima universidade de Paris e, procurando contrariar o desejo do seu pai, que o haveria de ver jurista, escreveu o seu primeiro romance, que no entanto destruiu. Não obstante, publicou He Walks By Night em 1930. A obra, situada em Paris, revolve em torno da tentativa de solução de um crime, o que parece, à primeira vista impossível, através de uma lógica astuciosa.
Também no início da década de 30, no decurso de uma travessia do Atlântico, conheceu Clarice Cleaves, com quem casou em 1931, estabelecendo-se em Inglaterra no ano seguinte.
Começou então a escrever argumentos para uma série policial de televisão da BBC. Com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, regressou aos Estados Unidos da América. Oferendo-se como voluntário, foi enviado para Inglaterra como escritor de propaganda aliada, também para a BBC.
Com o armistício, a situação política da Inglaterra alterou-se, já que o Partido Trabalhista foi eleito ao poder, e J.D. Carr optou por voltar para os Estados Unidos. Regressou no entanto a Inglaterra no ano em que Churchill foi escolhido para primeiro-ministro, em 1951. Viveu também grande parte da década de 60 em Marrocos.
Publicou cerca de oitenta romances policiais, utilizando também os pseudónimos "Carr Dickson", "Carter Dickson" e "Roger Fairbairn", e de que se destacam The Hollow Man (1935), To Wake The Dead (1938), The Devil In Velvet (1951) e The Hungry Goblin (1971). Foi também autor de uma biografia de Sir Arthur Conan Doyle.
Recolhendo as referências necessárias à composição das suas obras na sua vastíssima biblioteca, visitando locais com o intuito de escolher cenários o mais realistas possível, diz-se que J.D. Carr era capaz de escrever muitas das vezes durante dezoito horas seguidas, não parando nem mesmo para comer, mas bebendo em exagero e fumando continuamente.
Faleceu, vítima de cancro no pulmão, a 27 de fevereiro de 1977.
Como referenciar: J. D. Carr in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-26 01:29:31]. Disponível na Internet: