Artigos de apoio

Jean Piaget
Psicólogo suíço, Jean Piaget nasceu a 9 de agosto de 1896, em Neuchâtel, na Suíça. Revelou-se desde cedo um homem de interesses vastos colocando um empenho extraordinário em tudo aquilo que fazia. O seu gosto pela Zoologia leva-o a elaborar aos dez anos de idade a sua primeira publicação científica sobre um pardal albino. Aos quinze anos as suas publicações sobre moluscos ganharam também uma alta reputação entre os zoologistas europeus. Na Universidade de Neuchâtel estudou Zoologia e Filosofia, recebendo o seu doutoramento em 1918. Apaixona-se rapidamente pela Epistemologia, Teoria do Conhecimento e percebe que a Psicologia é uma via científica para elaborar a Epistemologia Genética.
Piaget estudou sob a alçada de Carl Gustav Jung e Eugen Bleuler, ingressando posteriormente na Universidade de Sorbonne em Paris no ano de 1919 permanecendo lá durante dois anos. Neste período criou e administrou testes de leitura para crianças em idade escolar, mostrando-se sobretudo interessado no tipo de erros que as crianças davam, o que o levou posteriormente a explorar o processo racional destas crianças. Em 1921 começou a publicar as suas conclusões e nesse mesmo ano veio para a Suíça, onde foi convidado por Claparéde, diretor do Instituto Jean-Jacques Rousseau, para o posto de Chefe de Trabalhos dando aulas de Psicologia de 1921 a 1925. De 1926 a 1929 foi professor de filosofia na Universidade de Neuchâtel e em 1929 juntou-se à Faculdade de Genebra como professor de psicologia infantil, permanecendo nesta instituição até à sua morte. Em 1939 Piaget passou a membro do Conselho Executivo da UNESCO, e em 1955 estabeleceu o Centro Internacional de Epistemologia Genética em Genebra tornando-se seu diretor.
Em mais de cinquenta livros e monografias ao longo da sua carreira, Piaget, continuou a desenvolver o tema que inicialmente descobriu em Paris "que a mente da criança evolui ao longo de uma série de estádios até atingir o estado adulto". Piaget vê a criança como estando a criar e recriar o seu próprio modelo de realidade, atingindo um crescimento mental por integração de simples conceitos em conceitos de nível mais elevado ao longo de cada estádio.
Piaget reivindica uma epistemologia genética, uma base estabelecida por natureza para o desenvolvimento da habilidade da criança para pensar. Traçou quatro estádios nesse desenvolvimento: o estádio sensório-motor, o estádio pré-operatório, o estádio operatório concreto e o estádio operatório formal.
No estádio sensório-motor a criança gere os seus próprios reflexos inatos e transforma-os em ações de prazer ou interesse. Neste período, numa primeira fase, a criança começa a tomar consciência de si como uma entidade física separada, apercebendo-se posteriormente que os objetos à sua volta têm uma existência separada e permanente.
No segundo estádio, pré-operatório, a idade da criança encontra-se entre os 2 aos 6/7 anos. Neste momento a criança já deve ser capaz de manipular o seu ambiente simbólico através das suas representações ou pensamentos acerca do mundo externo. Durante este estádio a criança aprende a representar os objetos por palavras e a manipular as palavras mentalmente.
Por volta dos 7 até aos 11/12 anos de idade a criança deve encontrar-se no estádio operatório concreto. Neste período ocorre o começo da lógica nos processos de pensamento da criança e o inicio da classificação dos objetos pelas suas similaridades e diferenças. É nesta altura que a criança começa a ter noção dos conceitos de tempo e de número.
O último estádio operatório formal vai da idade dos 12 anos, e estende-se até ao estado adulto. É caracterizado por uma generalização do pensamento e por um apuro da lógica, permitindo um tipo de experimentação mental mais flexível. A criança aprende neste estádio a manipular ideias abstratas, a formular hipóteses e a avaliar as implicações do seu pensamento e do dos outros.
Piaget elaborou, assim, uma teoria de desenvolvimento que funcionou como fio condutor para muitos dos que se interessaram pelo estudo do desenvolvimento da criança. Ao longo de toda a sua vida acumulou observações e reflexões criando verdadeiros quadros acerca da forma como as crianças vêm o mundo.
Morreu a 17 de setembro de 1980 na Suíça, na cidade de Genebra.
Principais obras publicadas:
1923, The Language and Thought of the Child
1924, Judgement and Reasoning in the Child
1927, La causalité physique chez l'enfant
1941, La genése du nombre chez l'enfant (com Szeminska)
1942, Classes, relations et nombres
1947, La representation du monde chez l'enfant
1948, The Origins of Intelligence in Children
1948, Le representation de l'espace chez l'enfant
1950, La construction du réel chez l'enfant
1950, Introduction à l'epistemologie génétique
1957, Le judgement moral chez l'enfant
1959, La naissance de l'intellegence chez l'enfant
1959, De la logique de l'enfant à la logique de l'adolescent (com B. Inhelder)
1959, La geneses des structures logiques élémentaires (com B. Inhelder)
1962, Études sur la logique de l'enfant: I Le langage et la pensée chez l'enfant
1962, Le development des quantités physiques chez l'enfant
1963, Études sur la logique de l'enfant: II Le judgement et le raisonnement chez l'enfant
1964, La psychologie de l'intelligence
1964, Six études de psychologie
1970, L'épistemologie génétique
1976, La formation du symbole chez l'enfant
1982, La psychologie de l'enfant
Como referenciar: Jean Piaget in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-07-27 07:45:25]. Disponível na Internet: