Joana, João e o Macaco Simão

Joana, João e o Macaco Simão (Jo, Zette et Jocko) são personagens de banda desenhada criados por Hergé, tendo aparecido pela primeira vez na revista francesa Cœurs Vaillants, a 19 de janeiro de 1936.
Como contraponto a Tintim, bom rapaz mas sem família conhecida (não tem pais, irmãos ou outros parentes) e aos traquinas Quim e Filipe, o semanário católico Cœurs Vaillants (onde se publicavam então as histórias de Tintim em França), pediu a Hergé para criar uma nova série, que incluísse personagens com família. Foi deste modo que surgiram Joana, João e o Macaco Simão, dois simpáticos irmãos que andam sempre acompanhados pelo seu inteligente chimpanzé. Os três vão viver grandes aventuras, especialmente orientadas para os mais novos, que os vão levar ao Polo Norte, à América e à Ásia.
Embora sem grande protagonismo, os pais estão presentes em todos os episódios. O pai da Joana e do João é o engenheiro Jaime Legrand, especializado em aeronáutica, mais tarde também de pontes, e a mãe é doméstica. Em O "Manitoba" não Responde e na sua continuação, A Erupção do Karamako, Joana, João e Simão vão-se encontrar com uns terríveis piratas que, utilizando um submarino e um raio misterioso, assaltam diversos navios, numa narrativa muito fantasiosa.
Na dupla aventura O Testamento do Sr. Pump e Destino Nova Iorque, ficamos a conhecer as excentricidades do milionário John Archibald Pump, que era um maníaco do tempo e que deixou em testamento 10 milhões de dólares para quem construísse um avião capaz de ligar Paris a Nova Iorque a uma média de 1000 km/h. A fábrica onde trabalha o engenheiro Legrand não vai deixar de participar neste desafio, em que Joana e João acabarão por pilotar um avião estratosférico que comete a proeza sonhada pelo senhor Pump.
O derradeiro episódio da série foi O Vale das Cobras, que teve uma primeira versão em 1939, cuja publicação nunca foi concluída. Só em 1953 surgiria a versão definitiva. Um marajá de férias nos Alpes conhece, acidentalmente, os filhos do casal Legrand. Depois de muitas peripécias devidas ao feitio colérico do marajá, que cria situações verdadeiramente delirantes, o engenheiro Legrand é convidado a projetar uma ponte que o marajá quer construir no seu país, o longínquo Gopal.
Para além da revista francesa Cœurs Vaillants, a série foi também publicada na revista Tintin francesa a partir de 1955, em paralelo com as publicações belgas Le Petit Vingtième (a partir de 1936) e Tintin (a partir de 1954), tendo existido importantes reformulações no desenho e na coloração das histórias. Foram editados apenas cinco álbuns desta série, pela Casterman, que é composta por três aventuras. O Raio Misterioso apresenta-se em dois episódios (O "Manitoba" não Responde e A Erupção do Karamako), tal como acontece com A Estratonave H. 22 (O Testamento do Sr. Pump e Destino Nova Iorque). O último título, O Vale das Cobras, apresenta-se graficamente mais elaborado e teve importante intervenção de Jacques Martin, assistente de Hergé.
Joana, João e o Macaco Simão surgiram em Portugal na revista Zorro n.º 89, a 20 de julho de 1964, tendo a Verbo editados os seus cinco álbuns entre 1981 e 1982, posteriormente reeditados entre 1997 e 2000.
Como referenciar: Joana, João e o Macaco Simão in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-25 07:28:53]. Disponível na Internet: