Jogos Olímpicos

As primeiras competições entre atletas surgiram na Grécia, há 2500 anos, e tinham lugar na cidade de Olímpia, em honra de Zeus, o pai dos deuses. Ocorriam de quatro em quatro anos, entre 6 de agosto e 19 de setembro, e ocupavam um lugar importante na vida grega.

O primeiro campeão olímpico a ser inscrito na lista dos recordes foi Coreobo que venceu o dromo ou estádio, em 776 a. C. Os jogos gregos estavam integrados na festa religiosa e teriam sido fundados por Hércules. A duração e o número de provas foram aumentando até ocupar cinco dias, num total de 14 competições: corridas de carros de cavalos (a mais nobre), de carros de mulas, e de cavalos de sela; pentatlo (disco, dardo, corridas pedestres, luta e saltos), dromo (uma volta ao estádio), diaulo (duas voltas ao estádio), dólico (24 vezes o comprimento do estádio), provas de luta, pugilismo e pancrácio (espécie de luta livre). Na cerimónia de abertura os juízes juravam não falsificar os resultados. No encerramento, todos presidiam ao banquete final e coroavam os vencedores. O prémio era uma coroa de oliveira brava, árvore simbólica de Hércules.
No século II a. C., a Grécia foi subjugada por Roma. Enquanto os Gregos se dedicavam com grande entusiasmo ao desporto, para assim homenagearem os seus deuses, os Romanos preferiam praticá-lo como preparação para a arte de manejar as armas. Os Romanos em vez dos estádios Gregos utilizavam circos. Os Gregos organizavam os jogos para os atletas e os Romanos para o público. Os primeiros destacavam a competição e os segundos preferiam o entretenimento. Os Jogos Olímpicos foram abolidos em 393 d. C. pelo imperador cristão romano Teodósio I por serem festivais pagãos.

Em 1887 o barão Pierre de Coubertin concebeu a ideia de fazer reviver os Jogos Olímpicos e passou sete anos a preparar a opinião pública francesa, inglesa e americana no sentido de apoiarem a sua ideia. No congresso internacional de 1894, o seu plano foi aceite sendo fundado o Comité Olímpico Internacional. Os primeiros Jogos Olímpicos modernos realizaram-se com o patrocínio do rei da Grécia, em Atenas, a 5 de abril de 1896, numa homenagem à origem dos jogos. Para a ocasião foi construído um novo estádio. Os treze países participantes enviaram cerca de 300 representantes que participaram em 42 provas de 10 desportos diferentes.

O renascimento dos Jogos Olímpicos levou à formação de Comités Olímpicos Nacionais por todo mundo. Desde esta altura que se realizam os jogos em diversas cidades com a periodicidade antiga (apenas interrompida pelas duas Grandes Guerras), como também se continua a acender em Olímpia o facho que arde durante as celebrações.

A realização dos Jogos Olímpicos está a cargo do Comité Olímpico Internacional com sede na Suíça. O seu símbolo (cinco círculos que se entrelaçam) traduz a sua extensão aos cinco continentes. Não existe idade limite para a participação nos Jogos Olímpicos e não é praticada qualquer discriminação de raça, religião ou ideologia política. Os jogos são disputados entre pessoas e não entre países.

Os jogos de inverno mantêm-se em separado desde 1924. Os Jogos Olímpicos de verão contêm pelo menos 15 desportos: tiro com setas e arco, provas de atletismo, basquetebol, boxe, canoagem, ciclismo, desportos equestres, futebol, ginástica, andebol, judo, natação, ténis de mesa, ténis, voleibol, saltos para a água, esgrima, hóquei em campo, pentatlo moderno, remo, tiro, halterofilismo, polo aquático, luta livre e vela. As mulheres podem participar em todos os jogos, exceto boxe e luta livre.

A Aldeia Olímpica foi pela primeira vez criada em Los Angeles em 1932 e tem por objetivo alojar os concorrentes e as equipas oficiais, situando-os perto do estádio principal.

A história dos modernos Jogos Olímpicos pode ser dividida em quatro períodos: desde o renascimento dos jogos até ao eclodir da I Guerra Mundial, o período entre as duas guerras, do recomeço dos jogos em 1945 até aos jogos de 1968, e um último período, a partir de 1972. Entre os anos 1920 e 1936 foi a época de ouro dos atletas, tendo ficado famosas as corridas de velocidade e os sprints de Jesse Owens.

Foi a Bélgica o primeiro país a organizar os Jogos a seguir à Primeira Guerra Mundial, nos quais participaram 29 nações e mais de 2500 concorrentes em 19 desportos. Em 1932, em Los Angeles, registou-se um decréscimo no número de concorrentes devido à grande depressão económica que afetou os Estados Unidos e, por consequência, a Europa. Os Jogos retornaram à Europa, em 1936. Berlim foi a cidade escolhida e contou com a participação de 4000 atletas.

Os anos entre 1948 e 1968 foram marcados pelo aumento da participação feminina. Além disso, as televisões passaram a cobrir o acontecimento, ampliando a audiência dos jogos. Devido à Segunda Guerra Mundial, não se realizaram entre 1940 e 1944. Londres deu início aos primeiros Jogos do pós-guerra.

Em 1956, os Jogos Olímpicos realizaram-se pela primeira vez num país do hemisfério Sul, em Melbourne. Foi essa também a primeira vez que uma modalidade olímpica se realizou noutro país que não o organizador dos Jogos. Tratava-se dos desportos equestres, devido à proibição de importação de cavalos por parte da Austrália. Estes Jogos foram decididos em Estocolmo. A distância foi também responsável pela redução do número de concorrentes, que se cifrou em 1500.

Quatro anos depois os Jogos regressaram a Roma que já não os acolhia desde 1908. Os Jogos Olímpicos realizaram-se na Ásia pela primeira vez em 1964, em Tóquio. A realização dos Jogos na Cidade do México em 1968 foi alvo de muitas críticas devido à altitude da cidade, mais de 2 300 m. Este facto afetou a maioria dos atletas que não estavam habituados a viver com o ar tão rarefeito.

A partir de 1972 assiste-se a um período de violência política e de discórdia. Em Munique, em 1972, participaram cerca de 8000 concorrentes de 124 países mas a tragédia assolou os Jogos quando terroristas árabes palestinianos invadiram a Aldeia Olímpica, mataram dois atletas israelitas e fizeram nove reféns, exigindo a libertação de 200 árabes prisioneiros em Israel. Os nove cativos, cinco dos raptores e um polícia federal foram mortos na tentativa de libertação dos reféns.

Em Montreal, no ano de 1976, deu-se uma retirada dos países que protestavam contra a presença da equipa de râguebi da Nova Zelândia; em causa estavam as relações que esta equipa tinha com a África do Sul, onde vigorava a política do apartheid. Este episódio contribuiu para reduzir o número de concorrentes em mais de 400. Os Jogos de Moscovo de 1980 foram marcados por um coro de 60 nações que protestavam contra a invasão do Afeganistão pela União Soviética, em dezembro de 1979. Estes Jogos foram ainda desprestigiados pelo uso de esteroides. Em 1984, em Los Angeles, a União Soviética e países seus aliados decidiram não enviar as suas equipas a participar nos Jogos.

Perto de 10 000 atletas representando 160 países participaram quatro anos depois nos Jogos Olímpicos de Seul. O uso de esteroides e de drogas continuou a ser o maior problema. Dez atletas e cinco medalhados foram desqualificados por usarem substâncias proibidas.

Em 1992, nos Jogos Olímpicos de Barcelona, esteve representado o maior número de desportos da história destes Jogos. Participaram 172 equipas com mais de 10 000 atletas. Foi a última vez que a União Soviética fez parte dos Jogos com uma única equipa.

Em 1996 realizaram-se os Jogos Olímpicos de Atlanta, que ficaram marcados pelo rebentamento de um engenho explosivo num parque de diversões, durante o decorrer dos Jogos.

Em 2000 disputaram-se os últimos Jogos do milénio, em Sydney, Austrália. Os Jogos Olímpicos de Sydney distinguiram-se não só pela imensa campanha publicitária que os rodearam, como também pela utilização de infraestruturas que respeitassem o conceito de desenvolvimento ecológico sustentado. Em Sydney, estiveram presentes mais de dez mil atletas que representaram 200 países.

Regressando ao seu país de origem, após mais de um século de ausência, a organização dos Jogos Olímpicos em 2004 ficou a cargo da Grécia, sendo a capital Atenas o lugar escolhido para a sua realização. 13 de agosto foi a data escolhida para a abertura oficial, com a realização da respetiva cerimónia.

As edições de 2008 e 2012 levaram os Jogos Olímpicos para Pequim, China e Londres, Reino Unido, respetivamente.  O Brasil foi o escolhido para a edição de 2016, no Rio de Janeiro, tendo já sido eleita a capital do Japão, Tóquio, como anfitriã para os Jogos Olímpicos de 2020.

Como referenciar: Jogos Olímpicos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-04 15:03:47]. Disponível na Internet: