Jorge Sampaio

Político português, de seu nome completo Jorge Fernando Branco de Sampaio, nasceu a 18 de setembro de 1939, em Lisboa. Iniciou a sua carreira política ainda como estudante da Faculdade de Direito de Lisboa (onde se licenciou pouco depois) quando, em 1962, o governo de Salazar proibiu a comemoração do Dia do Estudante, desencadeando uma crise marcada pela greve estudantil ("luto académico"), reprimida por vezes com brutalidade. Terminado o curso, dedicou-se à advocacia, participando, como muitos outros advogados oposicionistas, em julgamentos nos Tribunais Plenários, como defensor de oposicionistas presos (por exemplo, os implicados no assalto ao quartel de Beja desencadeado por partidários de Humberto Delgado). Candidatando-se a deputado em 1969, não foi eleito, como aconteceu a todos os oposicionistas. Após o 25 de abril de 1974, integrou-se em movimentos de esquerda próximos do Partido Socialista (Movimento de Esquerda Socialista e Grupo de Intervenção Socialista), acabando por aderir ao Partido Socialista, do qual foi mais tarde secretário-geral. Como militante socialista, candidatou-se e foi eleito por três vezes para o Parlamento, tendo cumprido um biénio como presidente do Grupo Parlamentar do seu partido. Se a sua experiência governativa é curta (Secretário de Estado em 1975), o mesmo já não se pode dizer da sua permanência à frente da edilidade lisboeta, pois nesta assumiu dois mandatos sucessivos, o último dos quais interrompido para Sampaio se candidatar à presidência da República em 1996. Beneficiando de um apoio vasto de figuras da política e da cultura, e beneficiando também da solidariedade institucional do PS, de que continua a ser militante, venceu (com 53,8% dos votos) os seus opositores Aníbal Cavaco Silva e Jerónimo de Sousa, transformando-se no terceiro presidente eleito depois da restauração da Democracia. Recandidatou-se ao lugar em 2001 e venceu as eleições, conquistando 55,8% dos votos.
Em 2004, foi galardoado com o prémio Carlos V, atribuído pela Academia Europeia de Yuste e entregue pelo rei Juan Carlos de Espanha, pelo seu empenho no processo de unificação da Europa e pelo seu contributo para a divulgação e enaltecimento da cultura, história e ciência europeias.
Nas eleições presidenciais ocorridas em janeiro de 2006, Cavaco Silva foi o candidato eleito para substituir Jorge Sampaio na presidência da República.
Como referenciar: Jorge Sampaio in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-17 02:06:51]. Disponível na Internet: