José Viale Moutinho

Ficcionista e jornalista, foi secretário e, depois, presidente da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto. Membro da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, cuja direção integrou em dois mandatos, recebeu o diploma de mérito do Instituto Brasileiro de Antropologia da Amazónia e publicou vários trabalhos especializados no domínio da etnografia, tendo coordenado algumas coletâneas de literatura oral. Poeta, ficcionista e ensaísta, as suas obras ressentem-se das muitas incursões pela paisagem física e humana portuguesa, chegando a fundir, como sucede em Aquém e Além Montes, a observação da cultura tradicional portuguesa com o registo literário. Esse ancoramento na realidade histórica e social é, porém, frequentemente modalizado, na voz do ficcionista, pelo recurso a uma escrita que hesita entre o real e o sobrenatural e que inclui o absurdo e o insólito.
Estreou-se literariamente em 1966, com a coletânea de poemas Urgência e, em 1978, recebeu o Prémio Júlio Pereira de Matos da Casa da Imprensa de Lisboa pela obra Crónica do Cerco.
Desde aí, Viale Moutinho tem-se consagrado sobretudo à investigação sobre outros autores, assim como à organização de diversas antologias.
Como referenciar: José Viale Moutinho in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-25 12:00:20]. Disponível na Internet: