Joseph Cotten

Ator norte-americano, Joseph Cheshire Cotten nasceu em Petersburg, a 15 de maio de 1905, no seio de uma família da classe média. Estudou Interpretação em Washington, na Hickman School of Expression. Trabalhou em seguida no ramo publicitário acumulando essa função com a atividade de crítico teatral. Atraído pelo teatro, estreou-se nos palcos em 1929, chegando no ano seguinte à Broadway. Passou por várias companhias teatrais e fez programas radiofónicos até que em 1936 conheceu Orson Welles que o convenceu a juntar-se ao grupo Federal Theatre. Na Broadway, foi protagonista de diversas peças de William Shakespeare, granjeando algum prestígio entre o público nova-iorquino quando atuou ao lado de Katherine Hepburn na peça The Philadelphia Story (1939), que foi adaptada ao cinema nesse mesmo ano, embora com Cary Grant no papel de Cotten. Mas este não teve de esperar muito pela sua estreia cinematográfica e logo pelas mãos de Welles, desempenhando o pequeno, mas decisivo, papel de Jedediah Leland no mítico Citizen Kane (O Mundo a Seus Pés, 1941). Seguiu-se novo trabalho com Welles em The Magnificent Ambersons (O Quarto Mandamento, 1942) e foi dirigido por Alfred Hitchcock em Shadow of a Doubt (Mentira, 1943), no papel de assassino. Embora nunca tenha conseguido impor-se como grande estrela, Cotten continuou a receber convites para trabalhar em grandes produções. Secundou Ingrid Bergman e Charles Boyer em Gaslight (Meia Luz, 1944) e iniciou em Since You Went Away (Desde Que Tu Partiste, 1944) um conjunto de quatro títulos em que faz par romântico com Jennifer Jones. Destes, o mais memorável terá sido Duel in the Sun (Duelo ao Sol, 1946) de King Vidor, onde desempenhou o papel de ponderado filho mais velho de uma família de rancheiros poderosos que disputa a mesma mulher com o seu impulsivo irmão (Gregory Peck). Em 1948, venceu o Prémio para Melhor Ator no Festival de Veneza pela sua prestação em Portrait of Jennie (O Retrato de Jennie, 1948). Teve outra memorável atuação no thriller The Third Man (O Terceiro Homem, 1949), de Carol Reed, e trabalhou novamente sob a batuta de Hitchcock em Under Capricorn (Sob o Signo do Capricórnio, 1949). A partir da década de 50, a carreira de Cotten começou a desvanecer-se, mediante a acumulação de prestações em filmes de série B. As exceções seriam Niagara (1953), uma pequena prestação em Touch of Evil (A Sede do Mal, 1958) do seu amigo Orson Welles, Tora! Tora! Tora! (1970) e Soylent Green (À Beira do Fim, 1973). Em finais da década de 70, filmou sobretudo em Itália e fez algumas séries televisivas. Como ator, esteve também presente num dos maiores desastres financeiros da história do cinema: o épico Heaven's Gate (As Portas do Céu, 1980). Despediu-se do cinema com o filme de terror The Hearse (A Maldição, 1980). Neste mesmo ano, foi obrigado a retirar-se do mundo da Sétima Arte devido a uma laringectomia. Vítima de uma pneumonia, faleceu na sua mansão de Westwood a 6 de fevereiro de 1994.
Como referenciar: Joseph Cotten in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-18 01:30:54]. Disponível na Internet: