Juan Muñoz

Escultor espanhol, Juan Muñoz nasceu em 1953, em Madrid, na Espanha de Franco, e estudou na Central School of Art and Design (1976-1977), completando o curso de impressão na Croydon School of Art, ambas sediadas em Londres (1978-1980). Foi nesta cidade que conheceu a sua esposa, a escultora Cristina Iglesias. Estudou ainda no Pratt Graphic Centre em Nova Iorque (1981-1982). Pertence a uma geração de artistas europeus que surgiram nas décadas de 1980 e 1990 e cujo trabalho alargou significativamente o conceito de escultura.
O barroco, pelo qual o artista revela particular interesse teórico, pode servir de ponto de referência histórico a este tipo de manipulações desviantes dos códigos de representação tradicionais, embora o seu registo criativo se apoie frequentemente num realismo um tanto estranho relativamente à nossa escala e modelos de receção convencionais. De facto, tal como o artista afirmou numa entrevista recente, "talvez as coisas mais conseguidas que realizei tenham sido sempre sobre algo diferente daquilo para o qual se está a olhar. E esse outro, esse referente, essa impossibilidade de representação que estamos a tentar descrever, é uma fronteira que confronta a escultura".
Teve a sua primeira exposição em 1984, numa galeria já extinta de Madrid e gozou de uma subida meteórica em termos de reconhecimento internacional, ficando conhecido pelas suas esculturas em larga escala, que representavam figuras humanas de uma forma muito realista e grandes instalações. Dotado de um grande sentido da arquitetura e dos espaços, as suas obras viajaram por todo o mundo em inúmeras exposições individuais e coletivas como A Place Called Abroad, Dia Centre for the Arts, Nova Iorque (1996), Bienal de Veneza (1997), Doubletake, Hayward Gallery, Londres (1993), Documenta 9, Kassel (1992) and Possible Worlds, ICA, Londres (1990). Em junho de 2001 inaugurou o projeto Double Bind, especialmente concebido para a Turbine Hall da Tate Modern de Londres. Em outubro de 2001 inaugurou uma retrospetiva organizada pelo Hirschorn Museum de Washington. Recebeu o mais prestigiante prémio espanhol, Prémio Nacional de Artes Plásticas, em 2000, concedido pelo Ministério da Cultura como reconhecimento por toda a sua trajetória artística. O seu trabalho está presente nas coleções de muitos dos mais importantes museus incluindo a Tate Gallery de Londres e o Museum of Modern Art de Nova Iorque.
Em Portugal, mais especificamente no Porto, Juan Muñoz, a convite da organização Porto 2001, contribuiu com um projeto de escultura pública no Jardim da Cordoaria.
Para além do seu trabalho em escultura, influenciado pelo movimento da Arte Povera italiana, assim como pelo minimalismo americano, Muñoz era fascinado pelas possibilidades do trabalho na área multimédia. Colaborou com o compositor Gavin Bryars e com o crítico John Berger em programas de rádio e por altura da sua morte colaborava com o seu cunhado Alberto Iglesias em mais um trabalho radiofónico.
Morreu inesperadamente de uma hemorragia no estômago a 28 de agosto de 2001, quando contava apenas 48 anos.
Como referenciar: Juan Muñoz in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-25 06:33:50]. Disponível na Internet: