Kate Atkinson

Escritora inglesa, Kate Atkinson nasceu em York no ano de 1951. Oriunda de uma família que havia conseguido ascender da classe operária à posição de proprietários de uma loja de artigos de cirurgia e medicina, situada em Stonegate. Talvez pelo seu espírito empreendedor, os seus pais decidiram tomar a peito a educação da sua filha única, pelo que a matricularam numa escola particular.
Concluiu o ensino secundário na Queen Anne's Grammar School, revelando-se uma aluna excecional nas línguas, tanto inglesa como estrangeiras. Foi então admitida na Universidade de Dundee como estudante de Literatura Inglesa, e casou em 1973 com um colega. Conseguiu a sua licenciatura no ano seguinte, pelo que decidiu prosseguir em estudos de pós-graduação de Literatura Norte-Americana.
Antes de apresentar a sua tese de doutoramento, e aceitar o convite para lecionar na Universidade de Dundee, trabalhou como professora domiciliária para o Serviço de Educação Comunitária britânico. Tendo-se divorciado ao fim de dois anos de convivência com o seu primeiro marido, tornou a casar em 1982 com um escocês, pelo que se mudou para a cidade de Edimburgo, onde pôde continuar o seu passatempo da escrita.
Decidindo apresentar o seu trabalho a concurso, venceu, em 1986, uma competição literária destinada exclusivamente a senhoras, o que a encorajou a começar a escrever para revistas femininas. Em 1990 obteve um lugar de destaque no concurso ao Prémio Bridport, para a categoria de conto e, dois anos mais tarde, foi galardoada com o Prémio St. James pelo seu conto Karmic Mothers.
No ano de 1995 publicou o seu primeiro romance, Behind The Scenes At The Museum, que lhe valeu o conceituado Prémio Whitbread de Livro do Ano, ultrapassando autores como Salman Rushdie e Roy Jenkins. A obra contava a história da família Lennox, em tons de ironia e tragicomédia, e chegou a ser adaptado para a rádio e a televisão.
Seguiu-se Human Croquet (1997), que abordava um tema semelhante. Outrora uma grande família, os Fairfax decaíram da sua mansão para uma mercearia de bairro. Fundindo o passado longínquo com o recente, a narrativa de Atkinson recorria a técnicas dos contos de fadas, no que ela própria chamou de "realismo mágico".
No ano de 2000 apareceu Emotionally Weird e, em 2002, seria a vez de Not The End Of The World, uma coletânea de contos.
Como referenciar: Kate Atkinson in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-10 11:00:11]. Disponível na Internet: