LIFE

A revista norte-americana LIFE foi lançada a 23 de novembro de 1936 e, logo no primeiro número, vendeu 225 mil exemplares através de assinatura e outros 200 mil em venda direta.
Uma das principais apostas desta publicação foi sempre a fotografia, tentando os seus editores optar por imagens que por si só contassem uma história. A arte fotográfica da LIFE começava na capa, como ficou demonstrado logo no número de lançamento, onde apareceu uma foto da barragem de Fort Peck, em Montana, que ficou famosa na história do fotojornalismo. Esta aposta na imagem, algo inovadora para a época, permitiu que os leitores conhecessem outros locais e outros povos até então mais distantes.
A inovação sempre foi uma das imagens de marca da LIFE e, em 1938, tornou-se uma das primeiras publicações a mostrar nas suas páginas fotos do nascimento de um bebé. Apesar de ter feito avisos prévios tanto a assinantes como às comunidades religiosas, a revista acabou por ser banida em cerca de cinquenta cidades norte-americanas e ainda no Canadá. A cor surgiu pela primeira vez na capa da revista em 1941, mas só em 1956 é que a totalidade das edições do ano foram impressas a cores.
Em 1943, em plena Segunda Guerra Mundial, a LIFE lançou um programa inovador que consistiu na criação de uma equipa de 23 militares e 19 civis destinada a elaborar uma coleção de arte sobre o espírito da guerra, tanto na frente de batalha como nos Estados Unidos da América. Ao todo, foram criados mais de mil quadros, aguarelas e ilustrações, alguns dos quais selecionados para ficarem expostos no Pentágono, quartel-general do Departamento de Defesa norte-americano. Mas, nesse mesmo ano, a publicação de fotos com atrocidades infligidas pelos soldados norte-americanos a combatentes inimigos levantou uma onda de protestos junto de um público que não estava habituado a ver esse lado da guerra. Embora de um modo mais ligeiro, a situação repetiu-se aquando da Guerra do Golfo, em 1991.
Nos anos 50, já era editada, para além da LIFE semanal, uma versão em espanhol e outra para o mercado internacional.
Em 1963, foi publicada pela primeira vez uma edição extra da revista, por ocasião do assassinato do presidente John Fitzgerald Kennedy.
A LIFE deixou de ter publicação semanal em 1973, altura em que passou a ser publicada apenas duas vezes por ano. Esta situação manteve-se até 1979, quando a periodicidade passou a ser mensal. A única exceção aconteceu durante a intervenção norte-americana no Koweit, em 1991, altura em que a revista foi posta à venda todas as semanas.
É considerada a primeira e internacionalmente mais conhecida revista de fotografia norte-americana.
Como referenciar: LIFE in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-02 13:20:17]. Disponível na Internet: