LIFO (last in first out)

No âmbito do desenvolvimento normal da sua atividade, as empresas têm necessidade de gerir da forma mais eficiente possível os aspetos relacionados com as existências que utilizam. Consideram-se existências todos os bens armazenáveis adquiridos ou produzidos pela empresa e que se destinam à venda ou a serem incorporados na produção. Normalmente, as existências mais representativas numa empresa são: mercadorias (bens adquiridos para posterior venda, não estando sujeitos a qualquer transformação dentro da empresa); matérias-primas (bens que não se destinam à venda mas a serem incorporados diretamente em novos produtos); matérias subsidiárias (bens que, sem se incorporarem diretamente num determinado produto, concorrem diretamente ou indiretamente para a sua produção).
Um dos principais aspetos a ter em conta ao nível da gestão das existências é o cálculo do Custo das Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas (CMVMC), tarefa cuja complexidade depende, entre outros aspetos, do número de artigos e produtos transacionados pela empresa em causa e do nível de movimento de entradas e saídas de armazém. Neste contexto, um controlo administrativo é um fator fundamental para a eficiência ao nível da gestão das existências da empresa.
Para a valorização das saídas de existências de armazém o Plano Oficial de Contabilidade prevê a possibilidade de utilização de diversos critérios ou métodos de valorimetria, dos quais os mais utilizados são: o método LIFO, cuja designação resulta da expressão "last in first out" (o último a entrar é o primeiro a sair); o método FIFO, da expressão "first in first out" (o primeiro a entrar é o primeiro a sair); custo médio ponderado. O método LIFO parte da utilização do lote mais recente para a definição do valor do custo de saída das existências. Assim, enquanto as saídas são valoradas aos preços mais recentes, as existências em stock ficam valoradas aos preços mais antigos. A utilização do LIFO é adequada especialmente em épocas de elevada inflação, na medida em que as saídas são valoradas a preços mais reais e não se sobreavaliam os lucros ou resultados.
Relativamente aos outros métodos referidos, enquanto o FIFO se baseia na saída em primeiro lugar das existências que entraram também em primeiro lugar, ficando as existências valoradas a preços mais recentes, o custo médio ponderado pressupõe a valoração ao preço médio de aquisição de acordo com as quantidades.

Como referenciar: LIFO (last in first out) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-05-22 03:59:18]. Disponível na Internet: