Livro de Linhagens

Compilações genealógicas registadas nos séculos XIII e XIV e motivadas pela necessidade prática de conhecer, para efeitos de matrimónio, sucessão e direitos patrimoniais, a linha genealógica dos ascendentes. Testemunho de um notável desenvolvimento do registo historiográfico em romance na península, já no século XIII, os livros de linhagens apresentam um interesse histórico, mas também literário, já que os registos de filiação são, por vezes, intercalados pela narração dos episódios históricos ou lendários em que intervêm as personagens biografadas. Conservam-se três livros de linhagens independentes entre si: o Livro Velho de Linhagens de 1270-80, a par de trechos exclusivamente genealógicos, inclui matéria ficcional, como a lenda de Gaia, os contos do rei Leir ou a história da Dama pé de Cabra; o Livro do Deão, de 1343, constitui um registo genealógico mais árido e esquemático; o Livro das Linhagens, ou Livro Terceiro, organizado por iniciativa do conde D. Pedro, redigido entre 1343-1344, de que só existe uma edição duplamente difundida, apresenta uma nítida afinidade com a Crónica de 1344, ao inserir, como introdução, a genealogia dos reis e das famílias portuguesas num tronco universal, bíblico e peninsular.
Como referenciar: Livro de Linhagens in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-12 07:11:52]. Disponível na Internet: