locus horrendus

Expressão latina que significa "lugar horrível". Trata-se de um dos tópicos da literatura romântica (oposto a locus amoenus) que consiste na descrição da paisagem sombria, isolada, lúgubre, inquietante e decadente, em que a natureza se expressa no seu estado selvagem, e também na valorização da sensibilidade individual, do irreal e do sonho. Os elementos mais recorrentes nas descrições do locus horrendus são, entre outros, as cavernas, as grutas, as ruínas, as árvores despedidas, a noite, o pôr do sol, o pessimismo, as paixões exacerbadas e o gosto pela solidão, sendo o outono e o inverno as estações do ano preferidas.
Pode-se encontrar alguns exemplares deste tipo de descrições em Bergeries (1625) de Honorat de Bueil, Atala (1801) de Chateaubriand, Folhas Caídas (1853) de Almeida Garrett e nos sonetos de Bocage dos quais se pode realçar "Sobre estas duras, cavernosas fragas", "Oh retrato da Morte, oh Noite amiga", e "Já sobre o coche de ébano estrelado".
Como referenciar: locus horrendus in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-24 02:29:15]. Disponível na Internet: