Luís Bicudo

Escritor português, nascido em 1884 e falecido em 1918, oriundo dos Açores, destaca-se no panorama literário português pela sua produção na poesia de sonetos e, na prosa, do conto e da crónica. A sua luta contra o analfabetismo (foi fundador da "Liga Micaelense de Instrução Pública" em 1909) e o seu suicídio aos 33 anos são aspetos que o tornam singular no seu modo de ver o mundo.
Começou por se evidenciar aquando da greve académica contra o regime ditatorial de João Franco, em Coimbra, e pela sua adesão às atividades maçónicas e antimonárquicas. Aí pertenceu ao grupo de poetas "vitalistas" que se organizou em torno da revista coimbrã Arte § Vida, cujos diretores foram João de Barros e Sousa Pinto.
Deixando transparecer influências de Antero de Quental, a sua poesia revela sensibilidade e imaginação transpostas no pessimismo metafísico e abstrato. Na narrativa revela sobretudo o fantástico, explorando crenças e superstições populares. A sua obra ainda se encontra dispersa por diferentes publicações periódicas.
Como referenciar: Luís Bicudo in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-11 01:00:00]. Disponível na Internet: