Luisa Villalta

Escritora e violinista espanhola nascida em 1957, na Corunha, na região da Galiza (Espanha).
Formou-se em Filologia Galego-Portuguesa e em Filologia Hispânica e foi docente de Língua e Literatura Galegas num instituto da Corunha. Foi diretora da Associação de Escritores em Língua Galega, coordenou a "Área de Revisão Histórica e Análise Crítica da Cultura" do Foro da Cultura Galega e participou em seminários, conferências, mesas redondas, recitais poéticos, sempre defendendo a língua e cultura galega como expressão genuína da Galiza. Para além de ter publicado artigos em diversos periódicos nacionais e estrangeiros e em várias antologias, publicou algumas obras do género poético, como Música Reservada (1991), Ruído (1995), Rota ao Interior do Ollo (1995), do género narrativo, como Silencio, Ensaiamos (1992), As Chaves do Tempo (2001), do género teatral, das quais se destaca Concerto para un Home Só (1989), O Paseo das Esfinxes (1991) e As Certezas de Ofélia (1999) e do tipo ensaístico, como O Don Hamlet de Cunqueiro: unha Ecuación Teatral (1992). Em janeiro de 2004, ganhou o XII Prémio Espiral Maior de Poesia pelo livro inédito En Concreto.
Na área da música, foi intérprete de violino e criou diversos agrupamentos de câmara galegos, como o da Orquestra de Santiago e o da Jovem Orquestra da Galiza. Publicou também artigos sobre música e estética nas revistas Agália, Grial e Luzes de Galiza, e livros, como O Outro Lado da Música, a Poesía (1999) e A Música e Nós (1999).
Luisa Villalta faleceu a 6 de março de 2004, na Corunha, em consequência de uma paragem cardíaca.
Como referenciar: Luisa Villalta in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-17 19:29:44]. Disponível na Internet: