Madame de Staël

Escritora francesa, precursora, a par de Chateaubriand, do Romantismo na França, foi autora de Essai sur les fictions (1795), De la Littérature (1800), Delphine (1803), Corinne (1807) e De l'Allemagne (1810), entre outras obras. Obrigada a exilar-se durante o império de Napoleão, devido às suas ideias liberais, refugiou-se em Coppée, na Suiça, onde reuniu um importante salão literário, frequentado por românticos e liberais de várias nacionalidades, como Benjamin Constant, Simonde de Sismondi e Wilhelm Schlegel. Depois de sustentar, em De la Littérature considérée dans ses Rapports avec les Institutions sociales (1800), que a literatura é a expressão da sociedade e que a sociedade saída da filosofia das Luzes deveria necessariamente provocar o nascimento de uma literatura nova, Mme de Staël percorreu a Europa, fazendo estadas prolongadas na Alemanha, na Itália e na Rússia. Em 1810, fruto dessas viagens e do conhecimento profundo dos novos escritores alemães, publicou De l'Allemagne (1810), onde apontou a necessidade de os escritores franceses estudarem a nova literatura romântica alemã, capaz de fornecer à França um modelo de literatura nacional, inspirada no cristianismo e na história, marcada pelo sentimento, o idealismo, o gosto pela natureza. A influência da obra de Mme. de Staël faz-se sentir não apenas em França, mas por toda a Europa, à medida que o romantismo se implanta nas diversas literaturas europeias, e também em Portugal, tendo ocupado um lugar determinante na formação de Almeida Garrett e de Alexandre Herculano.
Como referenciar: Madame de Staël in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-14 17:26:38]. Disponível na Internet: