Manuel Jardim

Artista plástico nascido em 1883, em Montemor-o-Velho, e falecido em 1923, em Lisboa. Frequentou a Escola de Belas-Artes de Lisboa de 1903 a 1905, altura em que abandonou o curso e na companhia de Eduardo Viana e Manuel Bentes partiu para Paris onde estudou na Academie Julian sendo discípulo de J. -P. Laurens. O interesse que nutria pela obra de Rodin ou pela arte social de Forain e Steinlen espelhou-se na sua obra, realizando desenhos delicados que, no aspeto formal, devem também muito ao seu gosto pelos intimistas de cariz impressionista. Em 1911 foi, talvez, o primeiro pintor português a compreender a modernidade francesa enraizada em Manet. Aliás, no seu quadro Le déjeuner, realizado e exposto em Paris nesse ano, é notória a influência de Manet. Este quadro só foi exposto em Portugal oito anos mais tarde, na Sociedade Nacional de Belas-Artes (SNBA), sendo mal acolhido pela crítica.
Regressa a Portugal por ocasião da Primeira Guerra Mundial. Juntamente com José Pacheco tenta, em vão, criar uma sociedade portuguesa de arte moderna (1919). Demarcou-se, também, no plano da ilustração realizando este tipo de trabalho de 1922 a 1926 para a revista Contemporânea. Apesar de, em 1920, ter tentado reinstalar-se em Paris, a tuberculose não o deixou voltando logo no ano seguinte. Dois anos após a sua morte, Eduardo Viana homenageou-o no Salão de outono da SNBA juntando obras de três artistas desaparecidos: Manuel Jardim, Amadeo de Souza-Cardoso e Santa-Rita Pintor.

Como referenciar: Manuel Jardim in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-11-18 16:13:37]. Disponível na Internet: