Margarida Martins

Ativista portuguesa, Margarida Martins nasceu a 11 de julho de 1953, em Lisboa, cidade onde sempre viveu.
Começou a dar aulas ainda estudante universitária. Aos 23 anos, casou e juntamente com o marido tomou conta do bar Zodíaco, o primeiro em Lisboa a albergar concertos de jazz e rock. A nível profissional, passou por uma editora e foi secretária de uma empresa de construção civil, onde estava quando Manuel Reis a convidou para trabalhar no Frágil, um dos mais conceituados bares lisboetas, situado no Bairro Alto. Passou quase toda a década de 80 a trabalhar neste bar, com as funções de porteira e relações públicas. Ao mesmo tempo, ajudava a produzir espetáculos musicais e fazia assessorias de imprensa.
Em 1992, a pedido de um amigo íntimo que viria a morrer com SIDA, fundou a associação Abraço, a primeira instituição particular de solidariedade social sem fins lucrativos de apoio a pessoas afetadas pelo vírus da SIDA. Aproveitou os conhecimentos feitos enquanto relações públicas do Frágil para fazer crescer a sua associação. Logo nos três anos iniciais, realizou doze campanhas de sensibilização e prevenção de âmbito nacional. Paralelamente, desenvolveu sessões de esclarecimento junto de escolas, deu apoio jurídico a infetados e conseguiu angariar dinheiro para comprar material de apoio destinado aos hospitais Egas Moniz, Santa Maria, Joaquim Urbano e São Bernardo. Ao mesmo tempo, promove regularmente com a Abraço exposições e espetáculos destinados a mobilizar as pessoas para o problema da SIDA.
Ganhou muita visibilidade pública como presidente da associação Abraço, o que, associado à sua personalidade extrovertida, a levou a ser regularmente convidada para participar em programas de televisão. Tal aconteceu com "Frou-Frou", "Ai os Homens" e "Docas".
Como referenciar: Margarida Martins in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-09 19:42:55]. Disponível na Internet: