Maria Elisa

Jornalista e apresentadora de televisão Maria Elisa Domingues nasceu em 1950. Ficou conhecida através da televisão, mas já desempenhou uma série de outros cargos paralelamente à carreira de jornalista, quase todos ligados à comunicação social. Antes de se dedicar ao jornalismo, frequentou o curso de Medicina, até ao 2.º ano, e um curso de atriz no Conservatório, até ao penúltimo ano, e chegou a integrar a companhia de teatro A Comuna. Em 1971, estreou-se no cinema, mas os três filmes em que entrou até 1979 não obtiveram sucesso.
No entanto, ainda antes do 25 de abril de 1974, optou pela Radiotelevisão Portuguesa, onde ingressou em 1973 como locutora.
Logo após a Revolução dos Cravos integrou, juntamente com Fialho Gouveia, uma comissão de locutores que propôs a separação dentro da RTP entre a informação e as restantes áreas. Passou assim a estar ligada definitivamente à informação. Especializou-se em entrevistas, tendo interrogado personalidades como o antigo presidente francês François Mitterrand, a antiga primeiro-ministro britânica Margaret Thatcher e a escritora Isabel Allende. Maria Elisa foi porta-voz do Governo de Maria de Lourdes Pintasilgo, em 1979.
Em 1981, foi convidada por Proença de Carvalho, na altura à frente da RTP, para diretora de programas do canal. Viria a ser também Proença de Carvalho a convidá-la a integrar a equipa que formou o projeto TV 1, no início da década de 90, que concorria à atribuição de um dos dois canais privados de televisão. No entanto, a SIC e a TVI acabaram por ganhar as duas vagas existentes. Mais tarde, Maria Elisa viria a ter uma breve passagem pela SIC, o que a levou a abandonar o cargo de diretora da versão portuguesa da revista feminina Marie Claire, que ajudou a fundar em 1988. Mas rapidamente regressou à RTP por não se identificar com o canal privado, de onde saiu antes de este começar a emitir.
Em março de 1998, voltou a assumir o cargo de diretora de programas da RTP, só que foi demitida logo em agosto do ano seguinte. Entretanto, tinha deixado o cargo de relações públicas da Fundação Gulbenkian.
O ano 2000 ficou marcado por uma viragem na carreira de Maria Elisa, já que aceitou apresentar um concurso, "Quem Quer ser Milionário?". No entanto, a experiência durou pouco tempo e regressou aos programas de informação e às entrevistas. Desde que foi eleita deputada, Maria Elisa viu-se envolvida num série de polémicas com a Comissão Parlamentar de Ética e com a RTP. Entretanto, Maria Elisa viria a suspender o seu mandato como deputada apresentando motivos de saúde estando, ao mesmo tempo, alegadamente ainda a colaborar com a RTP. Em novembro de 2003, Maria Elisa renunciou o seu mandato de deputada para aceitar o cargo de conselheira cultural na Embaixada de Portugal em Londres.
De regresso a Portugal em 2006, voltou ao ecrã televisivo com o programa "Os Grandes Portugueses", emitido pela RTP 1, baseado no programa homólogo inglês de BBC "100 Greatest Britons".
Como referenciar: Maria Elisa in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-17 05:29:17]. Disponível na Internet: