Max Planck

Max Karl Ernst Ludwig Planck, físico alemão, nasceu em Kiel na Alemanha a 23 de abril de 1858 e faleceu em Gotinga, também na Alemanha, a 4 de outubro de 1947.

Planck nasceu no seio de uma família com tradição académica: o seu pai era professor na Universidade de Kiel na área do Direito, tendo o seu avô e bisavô sido ambos professores de Teologia em Gotinga.

Os valores que Planck sempre seguiu na sua vida, honestidade, generosidade e justiça, foram-lhe transmitidos durante a sua infância. Plank começou a estudar em Kiel, tendo mudado para Munique em 1867 devido ao seu pai ter sido colocado como professor nessa cidade. Aí frequentou a escola secundária, no entanto, não sendo um aluno brilhante, os seus interesses inclinavam-se para a música. Só no final deste período, e devido à sua admiração pela lei da conservação da energia, é que Planck se começou a interessar pela física e matemática.

Antes de entrar para a Universidade de Munique, Planck ainda ponderou a possibilidade de seguir a carreira musical, pois tocava muito bem órgão e piano. Após ter estado doente no verão de 1875, mudou, conforme era habitual nos estudantes alemães da época, para a Universidade de Berlim em outubro de 1877. Aí teve como professor o físico alemão Gustav Robert Kirchhoff (1824-1887), que, apesar de o achar um professor monótono, admirava como cientista.

Outra etapa marcante na carreira escolar em Munique foi o estudo dos artigos de termodinâmica de Robert Clausius, tendo, em particular, ficado impressionado com a segunda lei da termodinâmica.

Em 1879, Planck termina os seus estudos universitários, novamente em Munique, com tese sobre a segunda lei da termodinâmica. Em 1880 foi-lhe proposto um cargo de docente particular na Universidade de Munique, sem no entanto este cargo possuir remuneração. Não tendo forma de sustento, manteve-se a viver com os seus pais durante cinco anos, sentindo grande culpa por ser um encargo para os pais.

Em 1885 foi colocado na Universidade de Kiel como professor de física teórica. Conquistada a independência financeira, Planck casou com Marie Merck a 31 de março de 1887. Durante esse período, Planck trabalhou afincadamente na aplicação da termodinâmica na química e na termoeletricidade. Em finais de 1888 foi convidado para lecionar Física Teórica na Universidade de Berlim. Foi promovido a professor ordinário em 1892, tendo lecionado a cadeira até se reformar em 1927.
Os estudos de Planck concentravam-se na termodinâmica, em particular na distribuição da energia consoante o comprimento de onda.

Em 1900, enunciou a fórmula hoje conhecida por teoria dos quanta ou teoria da radiação de Planck.

Em 1918 recebeu o Prémio Nobel da Física pelos seus estudos sobre a mecânica quântica, sendo este tema estudo de muitos outros cientistas que o seguiram.

Em 1909, a sua esposa, da qual teve quatro filhos, faleceu. Passados dois anos volta a casar com Marga von Hosslin, tendo nascido um filho desse casamento.

A sua vasta contribuição à física foi publicada em várias obras tais como: Einfuhrung in die Theoretische Physik (1916-1930), Wege zur physikalischen Erkenntris em 1943 e Wissenshaftliche Selbstbiografie em 1948.
Planck foi presidente da Kaiser Wilhelm Gesellschaft de 1930 a 1937 e de 1945 a 1946.

Aos 87 anos de idade, no final da Segunda Guerra Mundial, foi levado pelos aliados para Gotinga onde, apesar da sua idade, implementou esforços para a reconstrução da investigação científica da Alemanha.

Faleceu em Gotinga aos 89 anos.
Como referenciar: Max Planck in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-01-26 10:05:08]. Disponível na Internet: