Michael Nyman

Compositor, pianista, líder de orquestra e autor inglês, Michael Nyman nasceu a 23 de março de 1944, em Londres. Estudou na London Academy of Music e no King's College de Londres.
Não se identificando com as correntes da época, mais concretamente com o modernismo internacional, Nyman abandonou a composição em 1964, preferindo trabalhar como crítico e musicólogo. Em 1968, foi convidado para escrever o libreto para a obra de Harrison Birtwistle, "Down by the Greenwood Side". A partir daqui, tudo vai mudar. Fundou a Campiello Band, em 1977, após fazer os arranjos de Il Campiello de Carlo Goldoni. Quando esse trabalho foi concluído, Nyman continuou a compor, no intuito de manter unido o grupo de músicos de apoio. A formação da banda vai-se alterando, sendo-lhe adicionada amplificação e o nome passou a ser Michael Nyman Band. Este passa a ser o laboratório onde Nyman compõe as suas fortes melodias, com ritmos flexíveis mas afirmados.
Para o público em geral, é provavelmente mais conhecido por musicar o filme O Piano (1992) da realizadora Jane Campion, bastante premiado internacionalmente, e pela sua colaboração com o realizador e argumentista Peter Greenaway, proporcionando o fundo musical aos seus filmes. O seu primeiro grande sucesso foi a banda sonora do filme The Draughtsman's Contract (1982). A esse filme de Greenaway seguiram as bandas sonoras de Drowning By Numbers (1988), The Cook, The Thief, His Wife And Her Lover (1989) e Prospero's Book (1991). Estes trabalhos acabaram por ocultar outras obras em áreas tão distintas quanto a ópera, a música de câmara, a música vocal e dança. A sua maior influência de maior parte do seu trabalho é Mozart, perfeitamente notória em obras clássicas como In Re Don Giovanni (1976) e I'll Stake My Cremona To a Jew's Trump (1983). Também Schumann e Bartók são referências para Michael Nyman, inspirando a ópera The Man Who Mistook His Wife For A Hat (1986) e o Quarteto de Cordas N.º 2 (1988), respetivamente.
Em 1990, Nyman compôs Six Celan Songs, partindo de poemas de Paul Celan, para a cantora Ute Lemper, voz célebre do circuito cabaré.
O registo The Upside-Down Violin (1992) refletia o recorrente fascínio do compositor pela música tradicional. No ano seguinte, o músico regressou à sonoridade mais propulsiva dos tempos da Michael Nyman Band, no disco MGV (Musique A Grande Vitesse). Outros trabalhos relevantes da sua carreira foram Time Will Pronounce (1992), Yamamoto Perpetuo (1993), Tango For Tim (1994), Quarteto de Cordas N.º 4 (1995) e as bandas sonoras de Carrington (1995) e Gattaca (1997).
Michael Nyman, sempre com um refinado sentido de humor, mostrou um grande instinto para agradar ao mais variado tipo de audiência. A sua música, abarcando o estilo pop e a música clássica, desde sempre atraiu as atenções da crítica. Estes atributos fazem de Nyman uma figura única na música contemporânea do Reino Unido.
Em 2002, o músico voltou a inovar, concebendo um disco de fusão com a música indiana, em colaboração com músicos consagrados, U. Shrinivas e os irmãos Rajan e Sajan Misra. O álbum Sangam: Michael Nyman Meets Indian Masters revelou-se uma experiência apaixonante e íntima, demonstrando a vivacidade e o talento musical de Nyman.
Em 2006 fez uma pequena digressão pelo nosso país, apresentando espetáculos em Coimbra, Santa Maria da Feira e Lisboa, a solo e em emsemble.
Como referenciar: Michael Nyman in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-22 06:04:19]. Disponível na Internet: