Miguel Gomes

Nascido em 1972, em Lisboa, Miguel Gomes é um dos mais premiados cineastas portugueses da atualidade, louvado pela originalidade e ousadia das suas obras, que frequentemente misturam géneros e desafiam classificações.

 

Antes de se iniciar na realização, Miguel Gomes estudou na Escola Superior de Teatro e Cinema, em Lisboa, trabalhando também como crítico de cinema.

 

A sua estreia autoral surge em 1999 com Entretanto, a primeira de várias curta-metragens que dirige – uma história de um triângulo amoroso entre adolescentes nas férias escolares. 

 

Em 2004 chega a primeira longa: A cara que mereces, um filme que parte como analogia ao conto infantil A Branca de Neve e os Sete Anões para abordar a crise de identidade que assalta o protagonista no seu 30º aniversário e que foi distinguido com o Prémio da Crítica do Festival IndieLisboa.

 

Quatro anos depois, o lançamento de Aquele querido mês de agosto, híbrido de documentário e ficção, passado num Portugal serrano em que os bailes populares marcam os meses de verão, vale-lhe diversos galardões, incluindo o prémio de Melhor Filme Internacional do Festival Internacional de Cinema de Valdivia (Chile) ou o prémio da crítica no Festival Internacional de Cinema de São Paulo (Brasil). 

 

A definitiva consagração internacional de Miguel Gomes chegaria em 2012, com o seu filme seguinte, Tabu, que estreia em cerca de 50 países e vence mais de uma dezena de prémios. História de um amor trágico, Tabu (cujo título invoca a obra homónima de Murnau, de 1931) contrapõe o passado e o presente dos personagens para refletir sobre o imaginário colonial e a nostalgia da juventude perdida.

 

Três anos mais tarde, Miguel Gomes apresenta na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, As mil e uma noites, um drama burlesco que retrata o impacto da crise financeira que, em 2011, levou à intervenção do FMI em Portugal. A obra, dividida em três partes (volume 1: O Inquieto, volume 2: O Desolado, volume 3: O Encantado) e com mais de seis horas de duração, baseou-se em notícias reais e histórias do quotidiano recolhidas pelo realizador e pela sua equipa ao longo de um ano.

 

2021 trouxe novo filme de Gomes, Diários de Otsoga, um diário ficcionado do confinamento imposto pela pandemia COVID-19, realizado em conjunto com Maureen Fazendeiro.
 

Como referenciar: Porto Editora – Miguel Gomes na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-17 23:17:57]. Disponível em