Milos Forman

Realizador checo, Jan Tomas Forman nasceu a 18 de fevereiro de 1932, em Caslav, na antiga Checoslováquia. Aos nove anos, assistiu ao extermínio dos seus pais no campo de concentração de Auschwitz, tendo sido recolhido posteriormente por familiares. Já adulto, concluiu o curso de Cinema da Universidade de Praga, tendo começado a sua carreira cinematográfica como ator e argumentista. Estreou-se como realizador com Cerny Petr (O Ás de Espadas,1963). Mais tarde, viu duas comédias suas serem nomeadas para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro: Kasky Jedne Plavlovlasky (Os Amores Duma Loura, 1965) e Hori, Ma Panenko (O Baile dos Bombeiros, 1968). Apesar de ter perdido o galardão para Jan Kadar e Sergei Bondarchuk, respetivamente, o estilo de Forman granjeou adeptos em Hollywood. Com a invasão de Praga pelas tropas soviéticas, Forman refugia-se em Paris e posteriormente nos Estados Unidos da América. Aí, realizou o seu primeiro filme em língua inglesa: Taking Off (Os Amores Duma Adolescente, 1971), uma visão surpreendente sobre o modo de vida americano através do confronto ideológico de uma jovem com os seus pais. Em seguida, participou numa parceria de oito realizadores num documentário sobre os Jogos Olímpicos de Munique: Visions of Eight (Vencedores e Vencidos, 1973). Contudo, o seu nome só se tornou famoso do ponto de vista comercial com One Flew Over The Cuckoo´s Nest (Voando Sobre um Ninho de Cucos, 1975), um retrato das instituições psiquiátricas e dos abusos lá cometidos. A segurança da realização de Forman valeu-lhe a atribuição do Óscar para Melhor Realizador, um dos cinco Óscares ganhos pela película. Trilhou os caminhos dos musicais com Hair! (1979), antes de proporcionar um glorioso regresso aos ecrãs de James Cagney em Ragtime (1981), um retrato da América de 1906. Voltou à Cerimónia dos Óscares com a biografia de Mozart em Amadeus (1984) que lhe proporcionou o segundo Óscar para Melhor Realizador. O seu filme seguinte, Valmont (1989), apesar de ser uma controversa adaptação do romance Les Liaisons Dangereuses de Chordelos de Laclos, não mereceu a aprovação do público. Contudo, Forman voltou à carga com mais um filme polémico: a biografia do fundador da revista erótica Hustler em The People Vs. Larry Flynt (Larry Flynt, 1996). O filme valeu-lhe mais uma nomeação para os Óscares. Voltaria às biografias, filmando a vida do controverso humorista Andy Kaufmann em The Man on the Moon (Homem na Lua, 1999), proporcionando uma brilhante interpretação a Jim Carrey.
Como referenciar: Milos Forman in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-19 23:25:58]. Disponível na Internet: