Mister Deluxe

Personagem da obra O Que Diz Molero (1977) de Dinis Machado. A narrativa é sustentada pelo ininterrupto diálogo entre Mister Deluxe e Austin sobre o que diz uma outra personagem ausente, Molero, num relatório sobre um Rapaz. Mais do que personagens (não sabemos quase nada sobre eles e as suas identidades são até certo ponto permutáveis), Mister Deluxe e Austin revolucionam o estatuto de personagem, afastando-se do molde de personagens narrativas para se aproximarem dos moldes de personagem teatral, e fazendo equivaler a sua função a interlocutores, isto é, personagens que só existem enquanto suportes de um discurso que versa sobre personagens que se situam fora do discurso (as personagens que marcaram a infância e existência do Rapaz, como os pais do Rapaz, uma tia louca, o Vampiro Humano, o Descoiso, o Zuca, Evaristo, Leduc, o Eremita das Mãos Frias, Cláudio, etc.). Como traço definidor da sua especificidade, Austin e Mister Deluxe vão sendo possuídos - nem sempre o admitindo - por um sentimento de saturação das aquisições humanas, e tomando, a pouco e pouco, consciência, como as personagens de Becket, do absurdo da condição humana: "a gente nem sabe do que as pessoas são capazes para iludirem a ausência de um sentido para a vida, para escaparem à miséria ou ao peso dos outros".
Como referenciar: Mister Deluxe in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-05-09 02:30:24]. Disponível na Internet: