mistura racémica

Uma mistura racémica, também designada por racemato, consiste numa mistura em quantidades iguais das formas dextrogira (d-) e levogira (l-) de um composto oticamente ativo. As misturas racémicas são designadas pelo prefixo dl- (exemplo ácido dl-lático).

As misturas racémicas não apresentam atividade ótica, isto é, não fazem rodar o plano da luz polarizada, uma vez que as rotações para a direita (d-) e para a esquerda (l-) dos enantiómeros se compensam. Assim, por exemplo, o ácido racémico, que é uma mistura racémica dos ácidos tartáricos dextrogiro e levogiro, é oticamente inativo.

Uma mistura racémica pode cristalizar-se formando um só tipo de cristais, nos quais se encontram os dois enantiómeros, ou sob a forma de uma mistura, designada conglomerado, composta por cristais dextrogiros e cristais levogiros. Em ambos os casos, as propriedades físicas da mistura racémica diferem das dos enantiómeros puros.
As misturas racémicas podem ser obtidas por três processos diferentes: por reações químicas entre compostos e reagentes aquirais; por racemização ou misturando quantidades iguais dos dois enantiómeros.

À separação de dois componentes de uma mistura racémica dá-se o nome de resolução.

Como referenciar: mistura racémica in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 15:09:21]. Disponível na Internet: