motor de combustão interna

Desenvolvido no final do século XIX, o motor de combustão interna é uma das invenções recentes mais importantes e com maior impacto na sociedade atual. Este tipo de motor, assim chamado porque a combustão decorre dentro de uma câmara que contém também o pistão responsável pela criação do movimento, apresenta elevadas potência e eficiência para o seu tamanho.
Os dois tipos de motores de combustão interna mais importantes são o motor a gasolina e o motor a gasóleo ou motor Diesel (assim chamado por ter sido inventado pelo engenheiro alemão Christian Karl Diesel).
As partes que constituem estes dois tipos de motor são basicamente iguais: ambos possuem câmaras de combustão e cilindros (em posição vertical, com maior ou menor ângulo e horizontal, no caso dos boxer) que se encontram ligados à cambota por uma haste - que transforma as deslocações do pistão em movimento de rotação. O número de cilindros que compõem um motor é variável, sendo que as configurações mais comuns apresentam 3, 4, 5, 6 e 12 cilindros. Para o fornecimento de combustível ao motor são necessários: um depósito, uma bomba de injeção de gasolina e um dispositivo que transforme o combustível líquido em gasoso - o carburador.
Os processos de ignição são diferentes nos dois motores.
No motor a gasolina, a ignição é feita através da chamada vela de ignição - dispositivo colocado na parte superior do cilindro, que produz faíscas, as quais provocam a combustão. Durante o processo de combustão, o pistão executa quatro movimentos: 1) afasta-se do cilindro provocando a injeção de ar e combustível na câmara de combustão; 2) aproxima-se do cilindro provocando a compressão da mistura na câmara e a sua combustão; 3) é afastado novamente do cilindro pelo efeito da combustão; 4) aproxima-se novamente do cilindro e faz com que a válvula de escape se abra para libertar os gases resultantes da combustão. Esta sucessão de movimentos repete-se continuamente.
No motor a gasóleo, a ignição é feita através da compressão e aquecimento de ar antes da injeção de combustível na câmara. Os movimentos do pistão são basicamente idênticos aos anteriormente apresentados, embora haja um intermédio, que antecede a combustão: 1) dá-se a entrada de ar na câmara pela válvula de admissão; 2) inicia-se o processo de compressão e aquecimento do ar; 3) o ar está totalmente comprimido; 4) dá-se a injeção de combustível que no contacto com o ar aquecido entra em combustão; 5) inicia-se o processo de libertação dos gases. Devido ao processo de compressão utilizado, este tipo de motores é mais robusto do que o do motor a gasolina.
Como referenciar: motor de combustão interna in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-16 23:40:24]. Disponível na Internet: