movimentos epirogénicos

Os movimentos epirogénicos, também chamados movimentos seculares de nível, são produzidos por forças de direção vertical e consistem em levantamentos e afundimentos extraordinariamente lentos de extensas áreas da superfície terrestre. Devido á sua extraordinária lentidão, só são apreciáveis quando é possível encontrar um ponto de referência. Estão neste caso os deslocamentos da linha da costa, que dão lugar, conforme o sentido em que se verificam, à emersão ou imersão de terras. No primeiro caso, verifica-se um recuo do mar em relação às terras (regressão marinha); no segundo caso há um avanço do mar sobre as terras (transgressão marinha).
Os deslocamentos da linha de costa são verificados pelos geólogos através do estudo de terraços marinhos ou praias levantadas; da maior ou menor altitude de dunas litorais consolidadas, de rochas contendo fósseis de seres marinhos, etc.
As costas da Escandinávia elevam-se, desde a fusão dos gelos quaternários, à razão de um metro por século. Em zonas interiores e a altitudes de 230 metros sobre o nível do mar, existem, nesta península, terrraços marinhos. No início da Era Quaternária, quando ocorreram fortes glaciações, a Escandinávia esteve coberta por gelo com uma espessura calculada entre os 1500 e 2000 metros.
Como referenciar: Porto Editora – movimentos epirogénicos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-20 02:41:02]. Disponível em