Nisa

Aspetos Geográficos
O concelho de Nisa, do distrito de Portalegre, localiza-se no Alentejo (NUT II), no Alto Alentejo (NUT III), ocupa uma área de 574,8 km2 e abrange 10 freguesias: Alpalhão, Amieira do Tejo, Arês, Espírito Santo, Montalvão, Nossa Senhora da Graça, Santana, São Matias, São Simão e Tolosa.
O concelho encontra-se limitado a sudoeste pelo concelho de Gavião, a sul por Crato e a este por Castelo de Vide. O concelho apresentava, em 2005, um total de 8176 habitantes.
O natural ou habitante de Nisa denomina-se nisense.
Possui um clima marcadamente mediterrânico, caracterizado por uma estação seca bem acentuada no verão e por uma precipitação irregular.
O relevo não é muito acidentado, destacando-se, contudo, os montes da Senhora da Graça (304 m), de Assis (229 m).
Como recursos hídricos, possui a ribeira de Figueiró, a ribeira de Nisa e as termas de Nisa. Estas termas possuem águas minerais naturais, que permitem o tratamento de doenças reumáticas, recuperação motora, etc.

História e Monumentos
A ocupação destas terras teve início no Neolítico, existindo ainda vestígios desse período. A civilização romana também marcou estas terras.
Foi concedido foral a Nisa em 1512, por D. Manuel I.
Ao nível do património monumental e arquitetónico, destaca-se o Castelo da Amieira do Tejo, do século XIV, construído em granito aparelhado, formando um quadrilátero circundado por barbacã e flanqueado por quatro torres quadradas de desigual dimensão. A torre de menagem possui janelas, sendo uma geminada e outra com arco pontiagudo e moldura de toros. Este monumento está classificado como Monumento Nacional.
A Capela do Calvário está também classificada como Imóvel de Interesse Público. Data do século XVII, e é um edifício constituído por dois pequenos corpos, possui um portal com duas colunas caneladas sustentando um frontão simples e no interior tem três altares com forma octogonal.
Também classificada como Imóvel de Interesse Público é a Capela de Nossa Senhora dos Prazeres, construída no século XIV e reconstruída no século XVI. Da sua construção original resta um arco ogival, na porta de acesso à capela, que assenta sobre dois colunelos com bases chanfradas e capitéis em pequenos ressaltos.
A anta de S. Gens é um elemento funerário, classificado como Monumento Nacional, integrado num conjunto de quatro monumentos megalíticos. Os materiais exumados foram as cerâmicas, bolsas de ossos, pontas de seta e lâminas de sílex.
De referir também a ponte medieval, localizada sobre a ribeira do Figueiró e que possui três arcos com talhanarés.

Tradições, Lendas e Curiosidades
São diversas as manifestações populares e culturais do concelho: a feira regional de artesanato, gastronomia e atividades económicas e a festa de Santo António, em Arês, ambas realizadas em agosto; a romaria de Nossa Senhora da Graça, na segunda-feira de Páscoa, e a festa de Nossa Senhora dos Remédios, em Montalvão, em setembro.
No artesanato, destacam-se os trabalhos em olaria pedrada, as típicas cantarinhas e outras peças decoradas com pedrinhas, os alinhavados, as rendas de bilros, as frioleiras e os trabalhos de aplicação em feltro.
No que se refere a instalações culturais, merecem referência a Ludoteca de Nisa, com visitas programadas para jardins de infância, jogos programados com a colaboração dos professores e ocupação de tempos livres, e o Centro de Artesanato Regional de Nisa, com os seus trabalhos de aplicação em feltro e bordados.

Economia
No concelho predominam as atividades ligadas ao setor terciário, seguidas pelo secundário, na área da indústria agropecuária, nomeadamente no fabrico de queijos de ovelha e enchidos, e depois pelo primário, com um peso relativamente baixo na economia do concelho.
Na agricultura, predominam os cultivos de cereais para grão, os prados temporários e culturas forrageiras, a vinha, o pousio, o olival, prados e pastagens permanentes. A pecuária também tem alguma importância, nomeadamente na criação de aves, coelhos e caprinos.
Quase 47% (3563 ha) do seu território está coberto de floresta.
Como referenciar: Nisa in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-09 05:30:08]. Disponível na Internet: