Novalis

De seu verdadeiro nome Friedrich von Hardenberg, o escritor alemão Novalis nasceu em 1772 e morreu ainda jovem, em 1801. Poeta, romancista e teórico do Romantismo, teve nesta tripla qualidade apreciável influência a nível europeu.
Membro de uma família aristocrática, fez estudos universitários em Iena, Lípsia e Wittenberg. A sua curta vida foi depois ocupada pelo trabalho na administração de minas. Entretanto, travava conhecimento com Friedrich Schiller, os irmãos Schlegel (Friedrich Schlegel encarregar-se-ia de organizar e publicar a sua obra, postumamente) e a filosofia idealista do seu tempo, com destaque para a de Kant e a de Fichte.
A obra de Novalis encontrava-se praticamente toda inacabada e por publicar na altura da sua morte. De qualquer forma, os seus escritos foram recuperados, encontrando-se entre eles, além de tentativas literárias juvenis de interesse menor, um conjunto muito significativo de textos líricos e narrativos, e mesmo ensaísticos plenos de simbolismo e interesse filosófico. A própria variedade das realizações de Novalis constitui prova de se tratar de uma figura excecional. Os Hymnen an die Nacht (Hinos à Noite, 1800) constituem uma das grandes expressões do lirismo noturno, melancólico, da literatura ocidental moderna. Exprimem uma temática mística sobrevindo à dor (segundo algumas interpretações, a génese destas poesias pode identificar-se com a morte da amada de Novalis), com a antecipação de uma união sublimada dos amantes num futuro pós-mortal.
Os célebres fragmentos de Novalis - designadamente os coligidos em Blüthenstaub (Grãos de Pólen) - são tentativas, de grande profundidade filosófica, de compreensão do mundo, de Deus, do lugar do Homem, do absoluto.
O romance inacabado Heinrich von Ofterdingen (Henrique de Ofterdingen) é a história de um jovem poeta em busca do seu ideal. Por isso, tem sido inúmeras vezes interpretada como a narrativa paradigmática das demandas românticas do século XIX, e o facto de se encontrar inacabada só lhe tem conferido um poder ainda maior de atração.
Finalmente, o ensaio Die Christenheit oder Europa (A Cristandade ou a Europa), que só conheceria publicação póstuma, foi altamente polémico no seu tempo. Partindo de uma visão idealizada da Idade Média, que para ele constituia uma época de unidade espiritual e de harmonia política e institucional na Europa, o autor perspetiva a restauração apocalíptica dessa mesma ordem num futuro próximo, em linguagem plena de expressão simbólica. Novalis junta-se, assim, ao rol daqueles que, ao longo dos séculos, mantiveram o sonho de uma Europa unida, com a particularidade de, para ele, essa unidade ser mais uma coesão espiritual do que uma realidade política.
Como referenciar: Novalis in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-25 05:43:41]. Disponível na Internet: