Novelística (na época medieval)

Com a passagem da recitação oral jogralesca à leitura, aperfeiçoam-se, ao longo da época medieval, as formas narrativas em língua vulgar, como as prosificações das canções de gesta e a transmissão dos romances arturianos. A escassez e o carácter fragmentário e discutível de documentos relativos a uma novelística medieval portuguesa podem ser supridos pelo manancial de pequenas narrações que revelam o domínio de técnicas específicas do género narrativo, como, por exemplo, fábulas ou anedotas. A própria historiografia e literatura heráldicas entremeiam, no encadeamento dos seus registos, pequenas histórias semilendárias que integram o património narrativo medieval português, como, por exemplo, a lenda de Gaia ou a novela do rei Ramiro, que se encontram no Livro de Linhagens. Por outro lado, mesmo na poesia trovadoresca galego-portuguesa, nomeadamente nas cantigas de escárnio e maldizer, encontramos, em algumas composições, pequenas histórias anedóticas que, embora versificadas, obedecem a um esquema narrativo. No entanto, os textos que derivam de uma tradição novelística mais extensa e ramificada são os que integram a Matéria de Bretanha, como o José de Arimateia ou a Demanda do Graal. Na tradição religiosa, o registo hagiográfico, combinando, muitas vezes, a narrativa biográfica com a narrativa cavaleiresca, constituiu um dos melhores campos de ensaio para o desenvolvimento da técnica narrativa e do tratamento da matéria historiográfica, como a Crónica da Ordem dos Frades Menores, traduzida de um original latino, no final do século XIV.
Como referenciar: Novelística (na época medieval) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-14 19:55:30]. Disponível na Internet: