O Arco de Santana

Romance histórico, de Almeida Garrett, em dois volumes, publicados entre 1845 e 1851. Segundo palavras do próprio Garrett, teria sido enquanto aquartelado no Convento dos Grilos, durante o cerco do Porto, que o autor teria começado a escrever O Arco de Santana. A intriga, baseada num trecho da Crónica de D. Pedro I, de Fernão Lopes, decorre justamente no Porto medieval, evocando a vida social e política do burgo, agitada pelos motins do povo, representado pelos mesteirais, conduzidos pelo jovem Vasco e apoiados pelo rei D. Pedro, em luta contra a oligarquia política, encarnada no Bispo, senhor feudal perverso e déspota, e nos seus acólitos, em especial Pero Cão, cobrador de impostos. Como os leitores da época compreenderam e os críticos têm vindo a salientar, Garrett recriava no século XIV os conflitos políticos e religiosos que eram os da sociedade do seu tempo, nomeadamente a reação cabralista, apoiada pela Igreja, que visava dissolver o liberalismo e restaurar o poderio eclesiástico.
Como referenciar: O Arco de Santana in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-07 17:13:41]. Disponível na Internet: