O Fogo Repartido. Poesia (1960-1980)

Reúne, com variações, os volumes de poesia publicados pelo autor: Circulação (1960),A Hipérbole na Cidade (1960), A Habitação dos Dias (1962), Meditação em Samos (1970), Corpo Terrestre (1972) e o livro inédito Respirar pela Água (poemas escritos entre 1972 e 1980). Poesia depurada e incisiva, a escrita de João Rui de Sousa nasce da procura de uma ordem estética, revelada na preocupação organizativa dos poemas, construídos a partir de estruturas de reiteração e paralelismo, da recorrência de certos sistemas métricos e estróficos, nomeadamente o decassílabo, a quadra ou o dístico. Rigor estrutural que não inibe a poesia de se libertar e fazer uso de aquisições da geração surrealista, como, por exemplo, a enumeração caótica ou imagens insólitas (cf. MARTINHO, F. J. B., 1996, pp. 273-276). Na confluência de tendências e gerações, João Rui de Sousa combina, porém, o esteticismo com exigência ética, na denúncia da situação de asfixia social e política vivida por Portugal nos anos 50, evocada, por exemplo, em "Metamorfoses": "Neste tempo de armas aperradas / neste tempo de laços e espiões / neste tempo de sangue e de fantasmas / nesta noite de ódios e alçapões". No entanto, normalmente, as composições não aludem a circunstâncias históricas precisas, orientando-se, antes, para uma universalização da angústia, alargando-a à situação da condição humana, ao seu malaise existencial ("Ó casa humana - este áspero rosto, / esta espera tão dura, este falhar.", "O Acontecimento"). Aceitando o fracasso e o desencontro com a cidade e com o mundo (cf. A Hipérbole na Cidade), a poesia reunida em O Fogo Repartido testemunha também um encontro com a plenitude: "São de séculos os traços invisíveis / - a flor, o desencanto, a morte vã. / São de séculos as rosas impossíveis / da manhã. // Tudo no seu trono é invisível / - morada construída pela idade. / Tudo no seu todo é o invisível / sentido da unidade.", "Uma luz, a outra".
Como referenciar: Porto Editora – O Fogo Repartido. Poesia (1960-1980) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-23 20:47:45]. Disponível em