Artigos de apoio

O Lidador ou a Lenda da Porta da Traição
O cerco do exército português à fortaleza de Óbidos, dominada pelos mouros, durava já há cerca de dois meses.

Um dia, D. Afonso Henriques e Gonçalo Mendes da Maia, o Lidador, decidiram que o ataque seria realizado na madrugada do dia seguinte.

Dormia já o Lidador, quando foi acordado por uma voz de mulher que lhe pedia para ser conduzida à tenda do rei de Portugal, pois tinha algo de importante a comunicar-lhe. A jovem vivia no castelo dos mouros mas não sabia se era moura porque nunca tinha conhecido os seus pais. Junto do rei, a jovem revelou o seu sonho que se repetia há três noites.

No sonho, aparecia-lhe um homem novo e de olhar doce que a incumbia de transmitir uma mensagem para o rei de Portugal: o rei deveria reunir os soldados e liderá-los num ataque surpresa na parte fronteiriça do castelo, enquanto o Lidador se deveria dirigir com dez homens às traseiras onde a jovem donzela abriria uma porta para os deixar passar.

O homem de olhar doce prometia Óbidos aos cristãos e a salvação à jovem donzela.

Apesar da hesitação do Lidador , D. Afonso Henriques decidiu cumprir o que a jovem lhe contou. Na manhã seguinte, Óbidos foi conquistada conforme o sonho da misteriosa jovem, que nunca mais foi vista.

A porta que franqueou a entrada dos cristãos ficou para sempre conhecida como a Porta da Traição.
Como referenciar: O Lidador ou a Lenda da Porta da Traição in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-07-24 14:06:46]. Disponível na Internet: